Publicação do SOS Corpo reúne artigos de autoras de diferentes organizações, coletivos e redes do movimento feminista, que apontam os desafios na luta por transformação da realidade das mulheres.

Um artigo que reflete sobre a necessidade de reestruturar o desejo de seguirmos no enfrentamento ao sistema patriarcal, racista e capitalista, dando algumas pistas de como podemos fortalecer o processo de luta a partir do resgate de processos internacionalistas que coincidiram com a guinada à esquerda em nosso continente. Baixe agora!

Está terminado o processo eleitoral de 2020. A partir dos resultados, o que podemos avaliar sobre a força do campo político progressista em relação ao campo político conservador? O que muda na vida da gente com esta eleição municipal? Estas são questões que desafiam o movimento feminista e nós queremos refletir sobre elas neste episódio do Faísca.

Até aparentes avanços têm origens machistas: garantia ao aborto em caso de estupro, nos anos 40, era para proteger moral da família. O viés machista da Justiça precisa ser enfrentado. Um manifesto pelo direito à vida das mulheres.

A Frente nacional Pela Legalização do Aborto vem a público denuncia o Decreto 10.531/2020, que estabelece os direitos do nascituro como base das políticas públicas do governo para os próximos 30 anos. Assista ao vídeo e leia a nota na íntegra.

Como mulheres não indígenas e feministas antirracistas e anticapitalistas, unimos nossas vozes aos gritos das mulheres indígenas da Amazônia Brasileira.

Este dossiê foi realizado a partir de um acúmulo de escuta das mulheres indígenas, participantes do Fórum Social Panamazônico e do diálogo com a liderança indígena Telma Taurepang, Coordenadora Geral da União das Mulheres Indígenas da Amazônia Brasileira (UMIAB).

Na próxima segunda (23/11) às 16h, organizações lançam Manifesto Coletivo Pela Vida e Pelos Direitos das Pescadoras Artesanais. A Denúncia Ao Vivo marca 13 meses de inoperância e de desrespeito à vida e aos direitos das mulheres da pesca artesanal.

Essa eleição significou um divisor de águas, um marco histórico uma retomada dos espaços de poder ._ Neste segundo episódio de 15 minutos conversamos com Dani Portela, Carmem Silva e Silvia Camurça que trouxeram suas análises feministas sobre os resultados!

No Fórum Social Panamazônico, espaço ético-político denunciou graves violações aos territórios e corpos indígenas na região — em especial das mulheres. Em discussão, os ataques cometidos pelos governos do Brasil, Colômbia e Peru.