Hoje, dia de ato de rua em favor de #JustiçaporMiguel, vimos reiterar a defesa da democracia e dos direitos humanos. Nos somamos à luta pela apuração célere e punição dos responsáveis pela morte do menino Miguel e reafirmamos a crítica à forma arbitrária como autoridades públicas em Pernambuco atuaram na manhã de sábado, 29 de maio de 2021, reprimindo com brutal violência a manifestação popular em defesa da vida de nossa gente.

O Fórum de Mulheres de Pernambuco repudia a ação violenta da polícia militar do estado de Pernambuco contra a manifestação pacifica ocorrida neste sábado, 29 de maio. Não se tratou de espontaneísmo de policiais desequilibrados. O governo afirma que não autorizou essa ação violenta, então é preciso tomar medidas enérgicas.

1

Em novo ataque contra as mulheres, o governo agora quer ampliar o controle eugênico e racista de nossos corpos, violando nossa saúde sexual e reprodutiva. Através da Portaria 13/2021, SCTI – MS, o governo está implementando não apenas o controle, mas o impedimento reprodutivo de mulheres em situação de rua, o que se apresenta como promoção de práticas eugênicas, racistas e coloniais que persistem na atualidade com protagonismo do Estado brasileiro e de empresas farmacêuticas internacionais.

Não bastasse o trágico cenário nacional com mais de 410 mil mortes na pandemia da Covid-19 – resultado das ações do governo negacionista de Bolsonaro, a ausência de vacinas para imunização da população, os mais de 14 milhões de desempregados, o crescimento da pobreza e da fome que atinge milhares de famílias brasileiras, vivemos mais um capítulo da barbárie genocida. A Chacina do Jacarezinho é uma afronta à sociedade brasileira. O Estado e seus governantes deveriam ocupar-se, primordialmente, em salvar vidas, mas fazem o contrário.

Nós, do coletivo do SOS Corpo, manifestamos nossa profunda tristeza pela perda de Alexandre Magno, mais uma vítima da Covid-19 que se alastra pelo país pelas mãos de um governo genocida. Alexandre, Presente!

Diversas entidades e movimentos sociais, entre elas o SOS Corpo, assinam nota pública que denuncia a prisão arbitrária do advogado e ativista dos direitos dos trabalhadores ruais, José Vargas Junior e do desaparecimento de Cícero José Rodrigues de Souza, no sul do Pará.

Mais de 140 organizações, coletivos, movimentos sociais e associações enviaram nota à CNJ, que denuncia que a prática dos juízes fere frontalmente preceitos constitucionais de combate ao racismo no país. Leia na íntegra.