O cenário no Brasil é catastrófico. Entregues à própria sorte, estamos construindo solidariedade entre nós e enxergando que outro projeto de país não pode esperar as urnas para se concretizar! Morrer de Covid ou morrer de fome? Não! Nós combinamos de não morrer! Dia 29 de maio estaremos TODOS NAS RUAS, fazendo pressão para derrubar este governo, o presidente, seus filhos, assessores e ministros. O 29 de maio é apenas o começo de uma jornada de renovação da esperança. Queremos vacina para todos e auxílio de, no mínimo, 600 reais.

O desemprego, a extrema pobreza e a emergência sanitária afetam mais as mulheres no País, que contam com redes de solidariedade e ação política para enfrentar as consequências da crise agravada pela COVID-19. Por Larissa Brainer, na Revista Bravas.

As Redes de Solidariedade estão desde o início da pandemia travando uma batalha para fazer com que milhares de pessoas não sucumbam à fome e ao coronavírus. Leia a reportagem especial do SOS Corpo e conheça algumas destas iniciativas e como apoiá-las!

2

As Redes de Solidariedade estão desde o início da pandemia travando uma batalha para fazer com que milhares de pessoas não sucumbam à fome e ao coronavírus. Leia a reportagem especial do SOS Corpo e conheça algumas destas iniciativas e como apoiá-las!

As Redes de Solidariedade estão desde o início da pandemia travando uma batalha para fazer com que milhares de pessoas não sucumbam à fome e ao coronavírus. Leia a reportagem especial do SOS Corpo e conheça algumas destas iniciativas e como apoiá-las!

As Redes de Solidariedade estão desde o início da pandemia travando uma batalha para fazer com que milhares de pessoas não sucumbam à fome e ao coronavírus. Leia a reportagem especial do SOS Corpo e conheça algumas destas iniciativas e como apoiá-las!

1

As Redes de Solidariedade estão desde o início da pandemia travando uma batalha para fazer com que milhares de pessoas não sucumbam à fome e ao coronavírus. Ao mesmo tempo em que se mobilizam por recursos para amenizar a fome, seguem na luta em defesa de políticas públicas e para derrubar as estruturas que nos colocaram no abismo das desigualdades sociais.

Hoje é Dia da Trabalhadora Doméstica e, pela segunda vez, a data acontece em meio à crise da covid-19 no Brasil. Para Luiza Batista, presidente da Fenatrad (Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas), não há o que comemorar: a categoria, formada principalmente por mulheres negras, segundo a OIT (Organização Internacional do Trabalho), é uma das mais afetadas pela pandemia.

As ações do Abril Indígena do Acampamento Terra Livre, ganham o segundo ano com atividades virtuais por conta da pandemia de Covid-19. As transmissões começaram no dia 5 de abril e vão até o dia 30. Clique para saber como assistir. #ATL2021

Temos poucos dias para pressionar os senadores contra o projeto que promove o Camarote da Vacina, permitindo que empresários vacinem suas famílias e funcionários e furem a fila da vacinação! Pressione já contra esse absurdo! #CamaroteDaVacinaNão!