O Fórum de Mulheres de Pernambuco lançou nesta semana mais uma etapa de arrecadações para a manutenção da Rede de Solidariedade Feminista. Saiba mais como contribuir! #SolidariedadeéPráticaPolíticaFeminista

As trans precisam de uma visibilidade que vá além da mera citação do número de assassinatos. A garantia de direito a saúde, a trabalho e a educação não chega somente pelo anúncio das ameaças e violências que essas pessoas sofrem. É preciso refletir sobre os privilégios de se reconhecer do mesmo gênero que o sexo e entender que ambos são uma construção social. Em entrevista concedida a Fran Ribeiro, a ativista trans Amanda Palha, explica que não é o sexo que determina do gênero, é o contrário: são as relações de gênero que inventam o sexo. “Não dá para construir uma estratégia antissistêmica sem compreender o caráter social do sexo” Leia a entrevista completa!

Desde sábado (23) até o próximo 31 de janeiro acontece a 20ª edição do Fórum Social Mundial, desta vez online. Dentro da programação, nesta terça-feira, 26 de janeiro, às 18h30, vai ser transmitida a mesa “Feminismos de Fronteira: práticas insurgentes para resistir e (re) existir”.

Um contexto difícil se avizinha. Governo brasileiro, cada vez mais atrelado ao fundamentalismo, quer retroceder a um conceito patriarcal e racista de “família” e domesticar as mulheres. Mas feminismo resiste e segue sendo trincheira. Por CFEMEA e SOS Corpo, no Baderna Feminista.

1

A nova publicação do SOS Corpo é de autoria coletiva e contém impressas em suas páginas reflexões sobre os desafios de organização, atuação e articulação do movimento feminista brasileiro contemporâneo frente ao contexto histórico-político que temos vivido ao longo dos últimos anos. Baixe agora!

Num contexto de retrocessos sociais, a disputa de narrativas sobre o sentido e efetivação dos direitos humanos é gigante. Temos uma análise lúcida sobre a dificuldade de garantia e implementação desses direitos desde os governos de esquerda. Hoje, sob governos de ultra-direita, os ataques aos direitos humanos são a marca registrada da gestão Bolsonaro-Mourão e se caracterizam pela promoção do ódio racista e misógino. Para este governo, os corpos que se diferem do padrão são dignos de serem estuprados, violados, assassinados, exterminados. Não há pudor em dizer que bandidos devem ser eliminados e que direitos humanos são apenas para “humanos direitos”. Leia a análise completa.