Na noite de abertura política da Marcha das Margaridas, que contou com a presença de convidadas de todos os movimentos, organizações e partidos de esquerda, um grande anúncio foi feito pelos movimentos feministas articulados nacionalmente: realização de um Encontro Nacional dos Movimentos Feministas no próximo ano, 2020.

1

Em Pernambuco a história do movimento lésbico começa na casa de Josenita Duda. No final da década de 70 e 80, as mulheres se destacaram por esse processo de pensar, articular e fazer o movimento. Conheça a história da Articulação Homossexual de Recife e Região Metropolitana AMHOR

Betânia Ávila, socióloga e pesquisadora do SOS Corpo, apresentou algumas das facetas do neoliberalismo em articulação com os fundamentalismos e suas implicações na vida social durante sua participação na edição de julho do curso Caleidoscópio.

Sônia Mota, pastora presbiteriana e teóloga feminista da Coordenadoria Ecumênica de Serviço (CESE), falou sobre os interesses geopolíticos violentos e autoritários dos fundamentalismos no processo de colonização do território brasileiro e na opressão contra as mulheres.

Talita Rodrigues compartilhou a experiência de atuação do Coletivo Mangueiras na periferia de Recife e Salvador através do projeto InfoBike – Pedalando Por Direitos, na edição de julho do curso Caleidoscópio: Corpos Livres, Estado Laico.

Estiveram presentes representações de diversas redes, movimentos e organizações que integram a Frente e que apoiaram seu processo de construção desde o início, reafirmando a importância da articulação entre movimentos e parlamentares na defesa dos direitos das mulheres.

Por Analba Brazão – “Escolho esta bela frase da companheira indígena Dona Lavínia, da Organização de Mulheres Indígenas de Roraima (OMIR), para iniciar o relato sobre a experiência de estar longe e perto, a um só momento, e de como isto foi importante para mim.”
#AMBnasMarchas