O SOS Corpo realizou na última quinta-feira (14) a sua primeira transmissão ao vivo durante a quarentena do coronavírus. Confira no vídeo como foi a conversa, que discutiu o aprofundamento de contradições do sistema capitalista e a superexploração das mulheres no século XXI.

A Federação Internacional das Trabalhadoras Domésticas (FITD) está realizando uma pesquisa, em parceria com organizações de trabalhadoras doméstica em diferentes locais do mundo, para investigar como está a situação e as condições de vida dessas mulheres durante a pandemia.

Live próxima terça à noite conta com Silvia Camurça como uma das convidadas do Movimento de Mulheres Camponesas e Rede Soberania para falar sobre agroecologia e feminismo no enfrentamento a pandemia. É no youtube do MMC

O home office, forma de trabalho amplamente falado neste contexto de pandemia do covid-19, esconde algumas desigualdades, entre elas a ampliação da divisão sexual e racial do trabalho. Para discutir essas questões, o SOS Corpo realiza no próximo dia 14 uma transmissão ao vivo, com Maria Betânia Ávila e Fran Ribeiro. Não perca!

3

A Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas e diferentes organizações da sociedade civil emitiram nota exigindo a revisão do decreto nº729, do Estado do Pará, que reforça a ideologia escravocrata ao incluir as trabalhadoras domésticas como serviço essencial. Entenda.

1

Como fazer o isolamento nas casas pequenas onde moramos? Pensando a realidade de milhares de famílias que sofrem com as péssimas políticas habitacionais, o Fórum de Mulheres de Pernambuco elaborou manual prático com informações importantes. Conheça e compartilhe!

A “nova fórmula de sucesso” do sistema para explorar a classe trabalhadora, o home office tem ganhado um discurso que naturaliza uma velha prática: a divisão sexual e racial do trabalho. A superexploração sobrecarrega ainda mais o trabalho produtivo e reprodutivo das mulheres.

“Na comunidade o povo acha que este virus so pode acontencer com os outros”, mas as mulheres negras, mães solo, donas de casa, chefes de família, matriarcas estão com medo. Procuram Elzanira, ativista feminista como referência. Leia o relato dela para o dossiê Mulheres em Tempos de Pandemia

27 de abril é o dia de luta das trabalhadoras domésticas. Nestes tempos, mais luta do que nunca. A maioria das diaristas estão sendo dispensadas e demitidas ou estão sendo obrigadas a ir trabalhar em meio a pandemia, sujeitas aos riscos de contaminação por Covid-19 nos ônibus ou no trabalho de limpeza sem os devidos equipamento de proteção. Muitas estão enfrentando a fome e o desemprego. A nota da Fenatrad relembra momentos de luta e conquistas da categoria.