Nesta semana, entre os dias 29 de junho e 02 de julho, a Articulação das Mulheres do Cerrado, composta por mulheres de diferentes territórios, comunidades, municípios e estados, lança uma série de materiais e realiza um encontro para reafirmar as suas (re)existências. Assista ao vídeo-manifesto!

Nascemos em tempos de insurgência política. 40 ANOS depois, a História, em seu movimento dialético, volta a nos exigir que organizemos nossa raiva, transformando-a em rebeldia política. Trazemos esse selo para demarcar que, novamente, é tempo de negritar as contradições, fortalecer a auto-organização das mulheres para atiçar desordens.

Hoje, dia 31 de maio, como parte do evento Semana Internacional Menino Miguel: Justiça Pela Vida das Crianças Negras, será transmitida às 20h, live articulada pelo Fórum de Mulheres de Pernambuco.

Neste 28 de maio de 2021, enfrentamos um conjunto de desafios na defesa dos direitos reprodutivos das mulheres e pessoas que gestam, nos solidarizamos com cada família vítima da necropolítica, que ceifou vidas por conta da morte materna evitável, e nos levantamos e fortalecemos a luta pela vida das mulheres, contra o racismo, o fascismo e os fundamentalismos que nos atacam cotidianamente!

1

Em novo ataque contra as mulheres, o governo agora quer ampliar o controle eugênico e racista de nossos corpos, violando nossa saúde sexual e reprodutiva. Através da Portaria 13/2021, SCTI – MS, o governo está implementando não apenas o controle, mas o impedimento reprodutivo de mulheres em situação de rua, o que se apresenta como promoção de práticas eugênicas, racistas e coloniais que persistem na atualidade com protagonismo do Estado brasileiro e de empresas farmacêuticas internacionais.

Mais de 90 organizações e 150 ativistas da Colômbia têm se unido para eliminar o delito de aborto (consentido) do Código Penal colombiano. Esta mobilização legal está sendo liderada pelo Movimento Causa Justa[2] que recentemente apresentou uma demanda perante a Corte Constitucional colombiana para declarar inexequível o artigo 122 do Código Penal, que penaliza parcialmente o aborto no país.

Grávidas sofrem mais com a segunda onda de COVID-19 no Brasil e a principal causa de morte são as falhas no atendimento. Situação calamitosa expõe a política genocida de Bolsonaro com mulheres negras. Para entender melhor o que está acontecendo, entrevistamos o ginecologista Melania Amorim da Rede Feminista de Ginecologistas e Obstetras.