1

Como a precarização das condições de vida aumentam as injustiças reprodutivas? Como construímos uma luta conectada com a realidade das mulheres? Como articulamos a luta por justiça e autodeterminação reprodutiva? Como construímos o horizonte de justiça reprodutiva e social que acreditamos? Essas são algumas das questões que serão abordadas no curso Fontes e Veredas Feminismo e a Luta por Justiça Reprodutiva, que acontecerá nos dias 03 e 04 de outubro, das 18h30 às 21h, na sede do SOS Corpo. 

1

Na próxima quarta-feira, 13 de setembro, Ação Cultural Feminista com o tema Feminismos e Lutas em Comum – visões desde o Sul Global, vai reunir feministas de El Salvador, Guatemala, Moçambique e México para um intercâmbio de perspectivas e experiências de luta a partir destes territórios.

O SOS Corpo Instituto Feminista para a Democracia apresenta uma nova edição do curso Fontes e Veredas, desta vez com o tema Mulheres e Direito à Cidade: Uma reflexão Feminista sobre a vida urbana, que acontecerá nos dias 30 e 31 de agosto.

Na próxima quarta-feira, 02 de agosto, Ação Cultural Feminista do SOS Corpo convida quatro mulheres para debater a situação do futebol feminino no Brasil, em Pernambuco e as possíveis aproximações entre a modalidade com o feminismo.

“Violência contra as mulheres: estamos enfrentando?” Para debater esta pergunta o SOS Corpo Instituto Feminista para a Democracia iniciou ontem um curso da sua linha de formação Fontes e Veredas, voltado para mulheres integrantes de movimentos sociais e/ou atuantes nos serviços públicos de enfrentamento à violência.

Hoje, embora a pauta da prevenção e do enfrentamento à violência contra as mulheres esteja amplamente difundida socialmente, os números seguem altíssimos e revelam uma realidade ainda mais alarmante: a realidade melhorou para as mulheres brancas e piorou para as mulheres negras; o Brasil é o país que mais mata mulheres trans no mundo. O que há por trás desses dados? Qual o papel das políticas públicas nesse contexto? Qual a responsabilidade dos movimentos feministas nesse cenário?