A luta de Tereza de Benguela e de tantas outras mulheres negras ao longo dos anos segue em cada uma nós, independe da cor de nossa pele, segue em todos os corpos e rostos de das mulheres negras que hoje lutam em defesa do bem-viver.

Nós, da Articulação de Mulheres Brasileiras, viemos nos somar às mulheres negras do Brasil e da América Latina e do Caribe para afirmarmos nossa luta feminista antirracista, antipatriarcal e anticapitalista. Veja no post a programação da #AMBnoJulhodasPretas!

A sargento da polícia militar foi morta pelo ex-marido, Evandro Bitencourt, em julho do ano passado na cidade de Forquilhinha, sul catarinense. A Polícia civil afirma que aguarda um laudo pericial para concluir o caso.

De 5 a 9 de julho, a Universidade Livre Feminista está com inscrições abertas para seu novo curso, voltado para militantes feministas de movimentos populares, especialmente para aquelas que tem menos contato com tecnologias digitais e têm dificuldades de acesso à internet.

O impacto da pandemia que escancarou de maneira cruel as precárias condições de vida de milhões de famílias brasileiras, especialmente as que são chefiadas por mulheres negras, será tema da aula aberta do FNRU no próximo dia 14 de julho. Saiba mais no post!

Nesta semana, entre os dias 29 de junho e 02 de julho, a Articulação das Mulheres do Cerrado, composta por mulheres de diferentes territórios, comunidades, municípios e estados, lança uma série de materiais e realiza um encontro para reafirmar as suas (re)existências. Assista ao vídeo-manifesto!