1

A primeira mobilização da campanha internacional em defesa dos corpos e territórios das mulheres aconteceu no I Fórum de Mulheres Indígenas, maior ato em em defesa da Mãe Terra e da garantia do direito territorial 519 anos. Veja o vídeo, leia o manifesto aqui!

A escalada arriscada de posições e atitudes assumidas pela presidência da República nas últimas semanas, aliada à revelação de uma rede de corrupção e fraudes envolvendo membros do Judiciário, fez acender, até em quem outrora apoiou o projeto político de Jair Bolsonaro, uma luz de alerta quanto aos caminhos que estão sendo trilhados pelo país.

Nós, da Articulação de Mulheres Brasileiras exigimos do Congresso Nacional e do STF que ajam, que resgatem a dignidade do país, que freiem a escalada autoritária em curso, que anulem o pleito eleitoral e convoquem novas eleições presidenciais.

Nós do coletivo SOS Corpo – Instituto Feminista para a Democracia queremos expressar nosso repúdio veemente as terríveis declarações do Presidente da República dirigidas a Felipe Santa Cruz, atual presidente da OAB sobre o desaparecimento do seu pai, Fernando Santa Cruz, no período da Ditadura Militar.

“Todas as autoridades do País, inclusive o Senhor Presidente da República, devem obediência à Constituição Federal, que instituiu nosso país como Estado Democrático de Direito e tem entre seus fundamentos a dignidade da pessoa humana, na qual se inclui o direito ao respeito da memória dos mortos.”

A Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira – COIAB, juntamente com suas organizações, principalmente junto com a APOIANP (Articulação dos Povos e Organizações Indígenas do Amapá e Norte do Pará), veem a público manifestar, sua total solidariedade e apoio ao povo indígena Waiãpi, diante dos recentes fatos ocorridos de invasão de garimpeiros em seu território.

Estudantes e trabalhadorxs da educação vão às ruas neste 15 de maio em resistência contra o corte de verbas do governo federal. Exigem educação pública, de qualidade e para todas as pessoas. Nós, do movimento feminista, apoiamos integralmente esta greve e estaremos nas ruas somando esforços para que a faísca se alastre e ganhe multidões. Juntas vamos construir a greve geral da classe trabalhadora em 14 de junho.