Nota Pública sobre graves ameaças ao povo Pankararu

A Rede de Monitoramento de Direitos Indígena em Pernambuco (REMDIPE) tomou conhecimento, no dia 10 de agosto de 2020, que lideranças Pankararu foram ameaçadas de morte. Tal intimidação foi feita através de uma placa, fincada em seu próprio território, onde estavam escritos os nomes de várias das lideranças indígenas deste povo “marcadas para morrer”.

Através desta nota, a REMDIPE, junto a outras organizações, vem manifestar publicamente o repúdio a tal ato, bem como, a preocupação com a integridade física dessas lideranças. Na atual conjuntura, estes atos de violência são estarrecedores e crescentes, e se direcionam contra aqueles que defendem os seus direitos territoriais. Lembramos que a defesa dos direitos ancestrais ao território é assegurada na Constituição Federal de 1988, bem como nos tratados internacionais ratificados pelo Brasil.

Outrossim, vimos aqui solicitar das autoridades locais e federais uma completa investigação desse ato de violência e urgente proteção às vidas das lideranças Pankararu.

Recife, 13 de agosto de 2020.

Clique aqui para saber mais sobre o caso.

Assinam esta nota:

– ANJUKA- Centro de Memória dos povos indígenas do Nordeste (UEFS/BA)

– Articulação de Mulheres Brasileira – AMB

– Associação Nacional de Ação Indigenista ANAI.

– Banca de Advogados Ribeiro, Moraes, Rodrigues e Barbosa.

– Brigada Civil Meio Ambiente e Direitos Humanos

– Cáceres-MT

– Cátedra UNESCO/UNICAP Dom Helder Câmara de Direitos Humanos

– Centro Brasileiro de Estudos da Saúde (Recife)

– Centro de Direitos Humanos Dom Maximo Biennes – CDHDMB

– Centro de Trabalho Indigenista – CTI

– Centro Feminista de Estudos e Assessoria – CFEMEA

– Clínica Interdisciplinar de Direitos Humanos (UNICAP/PE)

– Colônia de pescadores Z14- Goiana.

– Comissão de Direitos Humanos de Passo Fundo – CDHPF

– Comissão de jovens e Lideranças Xukuru-Kariri

– Comissão de Juventude Indígena de Pernambuco – COJIPE

– Comissão de Professores Indígenas de Pernambuco – COPIPE

– Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de Olinda e Recife.

– Comissão Pastoral da Terra – CPT/NE 2

– Comitê Pernambucano de Educação do Campo

– Conselho Indigenista Missionário – Cimi

– CSP CONLUTAS – Central Síndical e Popular Conlutas

– DCE UFPE – Umberto Câmara Neto

– Diretório Acadêmico Demócrito de Souza Filho – DADSF/ Direito (UFPE)

– Etnicidades, Movimentos Sociais e Educação – Opará (UNEB)

– Etnologia, tradição, ambiente e pesca artesanal – ETAPA (UFRN)

– Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional – FASE

– Federação Dos Trabalhadores Rurais Agricultores E Agricultoras Familiares De Pernambuco – FETAPE

– Fórum de Mulheres de Pernambuco – FMPE

– Grupo Curumim

– Grupo de Estudos com Povos Indígenas – GEPI (Unilab/CE)

– Grupo de Estudos e Pesquisas Transdisciplinares sobre Meio Ambiente, Diversidade e Sociedade – GEPT (UPE)

– Grupo de Estudos em Temáticas Ambientais – GESTA (UFMG)

– Grupo de Estudos em Território e Identidade – GETI (UFPB)

– Grupo de Pesquisa em Memória, Identidade e Território – GPMIT (UFAL)

– Grupo de pesquisa imagens, narrativas e práticas culturais – Inarra (Uerj).

– Grupo de Pesquisa sobre Identidades Coletivas, Conhecimentos Tradicionais e Processo de Territorialização (UFPI)

– Grupo de Pesquisa Transculturalismo Crítico, Diversidade Cultural e Educação (UFRPE)

– Grupo de Pesquisas Memórias, Processos Identitários e Territorialidades no Recôncavo da Bahia – MITO (UFRB/BA)

– GT Ecologías Políticas Desde el Sur/Abya Yala , CLACSO (Conselho Latinoamericano de Ciências Sociais)

– Ilê-Ocá Casa das Tradições Afro Indígenas

– Instituto Humanitas (UNICAP/PE)

– Instituto Nacional Afroi Origem Pernambuco

– Laboratório de Antropologia, Política e Comunicação – LAPA (UFPB)

– Licenciatura Intercultural em educação escolar indígena (UNEB)

– Macondo: Artes, Culturas Contemporâneas e Outras Epistemologias (UFRPE/UAST)

– Movimento dos Trabalhadoras e Trabalhadoras Rurais Sem Terra – MST

– Movimento dos Trabalhadores Sem Teto – MTST

– Movimento Jovem Indígena Pankararu – MOJIP

– Movimento Nacional de Direitos Humanos – MNDH

– Movimento Negro Unificado.

– Not1More (Inglaterra)

– Núcleo de Antropologia da Arte- Nada (Uerj)

– Núcleo de Antropologia das Sociedades Indígenas e Tradicionais – NIT (UFRGS)

– Núcleo de Estudos Afro-brasileiros – NEAB (UFRPE)

– Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas – NEABI (IFPE)

– Núcleo de Estudos de Povos Indígenas – NEPI (UFSC)

– Núcleo de Estudos e Pesquisa sobre Etnicidade – NEPE (UFPE)

– Observatório Nacional de Justiça Socioambiental Luciano Mendes de Almeida (OLMA)

– Observatório Popular de Direitos Humanos – CPDH

– Observatório Socioambiental

– Partido Comunista Brasileiro – PCB

– Pastoral ambiental da Arquidiocese de Olinda e Recife

– Pastoral da saúde da Arquidiocese de Olinda e Recife

– PET Indígena Potiguara (UFPB)

– PROEXT (Pró-reitoria de extensão) IFPE

– Programa de extensão Acesso ao Sistema Interamericano de Direitos Humanos – aSIDH (UFPE)

– Programa de Pesquisas sobre povos indígenas do nordeste brasileiro – PINEB (UFBA)

– Projeto Historiando

– Projeto Nova Cartografia Social – PNCS

– PSTU- Partido Socialistas dos Trabalhadores Unificado

– Rede de Mulheres Negras de Pernambuco

– Rede Indígena de Memória e Museologia Social

– Rede Nacional de Advogadas e Advogados Populares – RENAP/PE

– Rede Nacional de Feministas Antiproibicionistas

– Rede Povos da Terra de Campina Grande

– Rede Solidária em Defesa da Vida-PE

– Redeh – Rede de Desenvolvimento Humano

– Secretaria de mulheres do PT

– SIMPERE- Sindic. dos Professores da Rede Oficial de Ensino do Recife

– SINDICATO DOS SERVIDORES DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE PERNAMBUCO – SINDSIFPE – S.S. SINASEFE

– Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras em Educação de Pernambuco – SINTEPE

– SOS Corpo Instituto Feminista pela Democracia.

– União da Juventude Comunista – UJC

Deixe uma resposta

Next Post

Retorno ao trabalho e retorno às aulas: a situação das mães de crianças em idade escolar

sex ago 14 , 2020
A ausência de ação do governo federal e do planejamento eficaz dos governos estaduais e municipais não permitiram que o país tivesse um controle mínimo da disseminação do coronavírus. Com a pressão capitalista por uma reabertura precoce dos serviços não essenciais, uma nova questão tem gerado angústia a milhares de mães e suas crianças: a falta de segurança para a retomada dos trabalhos e das aulas presenciais.
Instagram did not return a 200.
%d blogueiros gostam disto: