Desde o fechamento do Congresso em setembro, o Peru se encontra em um cenário de incerteza política. Em janeiro, haverá eleições dos representantes para um novo parlamento, porém os partidos não incluem a agenda de direitos das mulheres, a paridade, nem a alternância em suas listas.

Para as comunidades negras, as mulheres estão à frente da resistência. Neste #NovembroNegro trazemos diferentes iniciativas que pautam, no dia a dia, a prática antirracista como instrumento imprescindível à transformação social.

Há mais de 70 dias do crime socioambiental que atingiu todos os estados do Nordeste brasileiro, pescadoras e marisqueiras vivem em situação de emergência e de calamidade pública. Enquanto isso, no jogo de apontar culpados entre os governos federal e estadual, se reafirmam as dimensões do racismo ambiental, institucional e patriarcal da política brasileira.

Dia 28 de setembro é o Dia de Luta pela Descriminalização do Aborto na América Latina e no Caribe. No Brasil, o fundamentalismo e as forças conservadoras no poder têm influência direta para criminalização e na caça à autonomia das mulheres em decidir sobre suas próprias vidas.

Repercutindo dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública de 2019, Verônica Ferreira, integrante do SOS Corpo, analisa como no atual contexto brasileiro, a violência está sendo usada para reafirmar o domínio patriarcal contra meninas e mulheres.

“Se há uma emissora que faça doutrinação político religiosa é exatamente a Record. Acho que ela teve muita desfaçatez de efetivamente denunciar alguém, quando é o que ela faz. Basta nesse momento ligarmos a televisão e vermos que de hora em hora há uma doutrinação religiosa de baixíssimo nível”, afirma.