As trans precisam de uma visibilidade que vá além da mera citação do número de assassinatos. A garantia de direito a saúde, a trabalho e a educação não chega somente pelo anúncio das ameaças e violências que essas pessoas sofrem. É preciso refletir sobre os privilégios de se reconhecer do mesmo gênero que o sexo e entender que ambos são uma construção social. Em entrevista concedida a Fran Ribeiro, a ativista trans Amanda Palha, explica que não é o sexo que determina do gênero, é o contrário: são as relações de gênero que inventam o sexo. “Não dá para construir uma estratégia antissistêmica sem compreender o caráter social do sexo” Leia a entrevista completa!

Evento da Fundação Perseu Abramos que terá como debatedoras Helena Hirata, Vilma Reis, Maria Betânia Ávila e Ieda Leal, vai discutir as dimensões das relações de gênero e raça e os processo de resistência das mulheres no capitalismo. Saiba mais.

A expansão dos casos de pessoas contagiadas com o vírus COVID-19 e as precárias condições de moradia nas favelas e periferias do país é motivo de intensa preocupação de entidades e especialistas que atuam nas áreas de saúde e desenvolvimento urbano no país, assim como das próprias famílias.

A questão é que a “conscientização” almejada institucionalmente sobre o tema não tem como base nenhum conhecimento, mas ideologia: a velha ideologia patriarcal fundamentalista religiosa e cisheteronormativa em que mulher boa é mulher submissa.

O Movimento de Luta Contra a Aids, aqui representado pela ANAIDS, RNP+BRASIL, MNCP e RNTTHP, REPUDIA as declarações do presidente da República, afirmando que as pessoas com HIV/Aids são uma “despesa” à sociedade.

Robeyoncé Lima, codeputada estadual da ALEPE pela mandata coletiva Juntas, fala sobre a importância de se ter pessoas trans na política institucional, sobre violência política de gênero e os desafios de construir uma política transinclusiva.

Em entrevista ao SOS Corpo, Amanda Palha, ativista travesti e militante pelos direitos humanos, apresenta seu ponto de vista sobre os desafios da luta pela visibilidade trans e as contribuições que o transfeminismo pode dar às lutas dos movimentos sociais para a superação dos sistemas que nos oprimem.

Vídeo feito pela Ação Comunitária Caranguejo Uçá mostra uma síntese dos principais momentos da programação que contou com aula pública, tarde de resistência político-cultural e os dois dias do Seminário, que reuniu pessoas dos 9 estados no nordeste.