Seminário coordenado por Eleonora Menicucci e Nilma Lino Gomes debate desigualdade de gênero e raça no Brasil

Por Fundação Perseu Abramo

Os Núcleos de Acompanhamento de Políticas Públicas (NAPPs) de Mulheres e Igualdade Racial da Fundação Perseu Abramo (FPA) realizarão no dia 30 de outubro, às 14h30, o seminário “Gênero e Raça: opressão e resistência no capitalismo”, que será transmitido ao vivo pelo canal da FPA no YouTube, sua página no Facebook e perfil no Twitter.

A atividade será coordenada por Eleonora Menicucci, socióloga, coordenadora do NAPP Mulheres, ex-ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres; e Nilma Lino Gomes, pedagoga, coordenadora do NAPP Igualdade Racial, ex-ministra do Ministério das Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos. Participarão do debate Helena Hirata, Vilma Reis, Maria Betânia Ávila e Ieda Leal.

Sobre as debatedoras:

Helena Hirata é socióloga, diretora de pesquisa emérita no Centro Nacional de Pesquisa Científica da França (CNRS), pesquisadora colaboradora do Departamento de Sociologia da USP e Militante do Coletivo Nacional dos Direitos das Mulheres da França.

Vilma Reis é socióloga, professora, ativista do movimento de mulheres negras, defensora de Direitos Humanos e doutoranda em Estudos Étnicos e Africanos no PosAfro-UFBA.

Maria Betânia Ávila é socióloga, educadora e pesquisadora do SOS Corpo – Instituto Feminista para a Democracia, militante feminista da Articulação de Mulheres Brasileiras e da Articulación Feminista Marcosur.

Ieda Leal é secretária de combate ao racismo da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e coordenadora nacional do Movimento Negro Unificado (MNU).

O debate será transmitido no vídeo abaixo:

Deixe uma resposta

Next Post

Em defesa de Católicas Pelo Direito de Decidir!

sex out 30 , 2020
NÓS que construímos o SOS Corpo - Instituto Feminista para a Democracia, no marco do Estado democrático de direito laico, REPUDIAMOS com toda a força de nossas vozes, a decisão da 2ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, que impediu o legítimo direito da organização feminista Católicas pelo Direito de Decidir, de utilizar o nome que lhes dá sentido e identidade desde sua origem, há 27 anos.
Instagram did not return a 200.
%d blogueiros gostam disto: