“A Princesa Isabel assinou nossa liberdade, mas não assinou nossas carteiras de trabalho”

1

A noite da última quarta-feira, 14 de outubro, marcou o início do Diálogos Impertinentes, iniciativa do SOS Corpo que pretende trazer para o debate público, temas e questões-chaves que são imprescindíveis para qualquer sociedade que quer ser verdadeiramente democrática. Com base no diálogo, na experiência, na ação política e na fundamentação teórica, o Diálogos Impertinentes estreou trazendo para o centro do debate o Trabalho Doméstico no Brasil.

“O trabalho doméstico remunerado e não remunerado é fundamental para sustentar a sociedade. A economia se sustenta disso”, disse Creuza Oliveira, presidenta do Sindicato dos Trabalhadores Domésticos da Bahia (Sindoméstico/BA) e ex-trabalhadora doméstica. Uma referência do movimento sindical das trabalhadoras domésticas, Creuza começou a trabalhar como doméstica ainda na infância e lembrou a herança escravocrata que as trabalhadoras da categoria sofre até os dias atuais em dimensões simbólicas, objetivas e materiais.

“Trabalho doméstico tem história e ela vem desde a casa grande. Muitas mulheres negras foram traficadas de várias partes da África e do mundo para trabalhar como escravas, tratadas de forma desumana. Com o processo histórico de organização, lutando através dos quilombos contra a escravidão, as mulheres e homens negros conseguiram a liberdade, mas continuam até hoje em trabalhos precarizados”, lembrou durante sua participação, e seguiu: ” A Princesa Isabel assinou nossa liberdade, mas não assinou nossas carteiras de trabalho”.

“As relações no trabalho doméstico são marcadas por desigualdades de classe, raça e gênero. Essa é a história da formação colonial brasileira, trabalho doméstico no coração da exploração de classes”, enfatizou a sindicalista.

Para dialogar com Creuza Oliveira em torno de questões histórico-políticas que são imprescindíveis e destacáveis no trabalho doméstico e na organização e na luta das trabalhadoras domésticas no Brasil, esteve Maria Betânia Ávila, educadora do SOS Corpo, que destacou as dimensões estruturantes que marcam a formação social brasileira e o papel mais que fundamental que o movimento feminista tem na luta das trabalhadoras domésticas.

“A luta das trabalhadoras domésticas é uma causa feminista e democrática. Está no âmago das relações de gênero, classe e raça, e também no âmago das questões de trabalho como estruturante dessas desigualdades”, comentou Betânia Ávila.

Na próxima quarta-feira, dia 21 de outubro, Chirlene dos Santos, da Associação das Trabalhadoras Domésticas de Campina Grande (PB) e Verônica Ferreira (SOS Corpo) seguem o fio do Diálogos Impertinentes, que vai discutir as experiências e as condições de trabalho das trabalhadoras domésticas durante a pandemia. Todo o ciclo estará assistido de acessibilidade comunicacional, através da linguagem de libras.

O Diálogos Impertinentes faz parte do calendário de atividade do Centro Cultural Feminista e é transmitido ao vivo em nosso canal no Youtube (clique aqui e ative o sininho para ser notificada para a próxima transmissão) e pela nossa página no Facebook, começando sempre às 19h. Não perca!

One thought on ““A Princesa Isabel assinou nossa liberdade, mas não assinou nossas carteiras de trabalho”

Deixe uma resposta

Next Post

Democratizar a democracia, luta de longo prazo

seg out 19 , 2020
Pleito municipal será trincheira contra o obscurantismo, mas também oportunidade de virada política, com mais mulheres eleitas e nos debates feministas. Jornada será árdua, mas ações pelo voto descolonizador reacendem esperanças
Instagram did not return a 200.
%d blogueiros gostam disto: