Na próxima quarta-feira, 2 de junho, dia em que se completa 1 ano da trágica morte de Miguel, que caiu do nono andar de um prédio de luxo no Recife, a Mirtes Renata, mãe de Miguel e sua família a Articulação Negra de Pernambuco e a Coalizão Negra por Direitos convoca todas e todos a participarem da mobilização nacional para pedir justiça por Miguel e pela vida de todas as crianças negras.

Intervenção das OSC diante da 60ª. Mesa Diretora da Conferência Regional sobre a Mulher da CEPAL (fevereiro 2021), sobre o Fundo Regional de Apoio a Organizações e Movimentos de Mulheres e Feministas.

Neste 28 de maio de 2021, enfrentamos um conjunto de desafios na defesa dos direitos reprodutivos das mulheres e pessoas que gestam, nos solidarizamos com cada família vítima da necropolítica, que ceifou vidas por conta da morte materna evitável, e nos levantamos e fortalecemos a luta pela vida das mulheres, contra o racismo, o fascismo e os fundamentalismos que nos atacam cotidianamente!

1

Em novo ataque contra as mulheres, o governo agora quer ampliar o controle eugênico e racista de nossos corpos, violando nossa saúde sexual e reprodutiva. Através da Portaria 13/2021, SCTI – MS, o governo está implementando não apenas o controle, mas o impedimento reprodutivo de mulheres em situação de rua, o que se apresenta como promoção de práticas eugênicas, racistas e coloniais que persistem na atualidade com protagonismo do Estado brasileiro e de empresas farmacêuticas internacionais.

A assistente social, pesquisadora e feminista negra Mércia Alves, integrante do coletivo político-profissional do SOS Corpo, apresenta no artigo uma análise do agravamento das condições de vida das mulheres negras no contexto da pandemia de Covid-19 e os desafios teóricos para as/os profissionais do Serviço Social no enfrentamento das questões. Baixe para ler!

Mais de 90 organizações e 150 ativistas da Colômbia têm se unido para eliminar o delito de aborto (consentido) do Código Penal colombiano. Esta mobilização legal está sendo liderada pelo Movimento Causa Justa[2] que recentemente apresentou uma demanda perante a Corte Constitucional colombiana para declarar inexequível o artigo 122 do Código Penal, que penaliza parcialmente o aborto no país.

Grávidas sofrem mais com a segunda onda de COVID-19 no Brasil e a principal causa de morte são as falhas no atendimento. Situação calamitosa expõe a política genocida de Bolsonaro com mulheres negras. Para entender melhor o que está acontecendo, entrevistamos o ginecologista Melania Amorim da Rede Feminista de Ginecologistas e Obstetras.

HOJE, às 19h30: Monitoramento dos Direitos Humanos no Brasil faz apresentação traz 17 casos de violações documentados durante o período da COVID-19 e relata cada caso com as informações sobre as situações de violações vividas e quem foram os sujeitos que sofreram estas violações.