A cultura e a estrutura patriarcal capitalista racista se utilizam da violência contra as mulheres para manter o sistema de dominação e exploração sobre nossas vidas e na sociedade, e a nossa luta feminista se realiza para que todas as mulheres, crianças e idosas, tenham uma vida livre de violências.

Nesta quinta-feira (25), a partir das 19h, a Rede de Mulheres Negras de Pernambuco e perspectivas na luta contra o racismo hoje”, com a participação de mulheres que fazem parte da história de enfrentamento ao racismo no país.

No dia 25 de novembro é quando nós que fazemos o movimento feminista nos articulamos em rede para denunciar e tornar visível a problemática da violência contra as mulheres. É preciso frear o racismo que torna as mulheres negras sujeitas mais vulneráveis, assim como melhorar o sistema de proteção que vem garantindo o aumento de denúncias e garantia de acolhimento para algumas mulheres. Enfrentar o sistema capitalista, racista e patriarcal é essencial para a melhoraria das nossas vidas!

Com transmissão ao vivo a partir das 18h45, Seminário Virtual que repercute o julgamento na Corte Interamericana de Direitos Humanos do caso de feminicídio contra Márcia Barbosa, morta há 23 anos por um político influente da Paraíba.

Considerada a terceira melhor lei mundial de combate à violência doméstica, a Lei Maria da Penha criou um fato social e salvou vidas, mas, está sendo desmontada, segundo feministas, gestoras públicas e especialistas na lei

Trabalho elaborado por pesquisadoras do SOS Corpo reúne uma gama de dados divulgados no último ano para analisar o contexto do aprofundamento da epidemia da violência contra as mulheres no Brasil, diante de um cenário de crises provocadas pela pandemia e pelo projeto político bolsonarista. Baixe agora!