Maria Betânia Ávila (SOSCorpo), Márcia Leite (UNICAMP), Cristiane Soares (IBGE), se reuniram com as professoras Hildete Melo e Maria Cristina Rodrigues (UFRJ) para refletir sobre os elementos em torno da pandemia que revelam como as mulheres estão no centro da pauperização do trabalho no atual contexto, mas também das respostas para atravessá-la.

O home office, forma de trabalho amplamente falado neste contexto de pandemia do covid-19, esconde algumas desigualdades, entre elas a ampliação da divisão sexual e racial do trabalho. Para discutir essas questões, o SOS Corpo realiza no próximo dia 14 uma transmissão ao vivo, com Maria Betânia Ávila e Fran Ribeiro. Não perca!

A “nova fórmula de sucesso” do sistema para explorar a classe trabalhadora, o home office tem ganhado um discurso que naturaliza uma velha prática: a divisão sexual e racial do trabalho. A superexploração sobrecarrega ainda mais o trabalho produtivo e reprodutivo das mulheres.