Considerada a terceira melhor lei mundial de combate à violência doméstica, a Lei Maria da Penha criou um fato social e salvou vidas, mas, está sendo desmontada, segundo feministas, gestoras públicas e especialistas na lei

As trans precisam de uma visibilidade que vá além da mera citação do número de assassinatos. A garantia de direito a saúde, a trabalho e a educação não chega somente pelo anúncio das ameaças e violências que essas pessoas sofrem. É preciso refletir sobre os privilégios de se reconhecer do mesmo gênero que o sexo e entender que ambos são uma construção social. Em entrevista concedida a Fran Ribeiro, a ativista trans Amanda Palha, explica que não é o sexo que determina do gênero, é o contrário: são as relações de gênero que inventam o sexo. “Não dá para construir uma estratégia antissistêmica sem compreender o caráter social do sexo” Leia a entrevista completa!

Na última noite dos debates sobre Trabalho Doméstico no Brasil, no ciclo Diálogos Impertinentes, Luiza Batista (FENATRAD) e Rivane Arantes (SOS Corpo) destacam pontos que marcam os conflitos e as conquistas de direitos das trabalhadoras domésticas ao longo da luta e da organização da categoria.

1

Nos dias 14, 21 e 28 de outubro, o SOS Corpo realiza debates, com transmissão pela internet, para discutir as contradições do trabalho doméstico, as conquistas e as lutas da organização das trabalhadoras domésticas no Brasil. Anota na agenda para não perder!

Nesta terça-feira (06), às 19h o Centro Feminista de Estudos e Assessoria (CFEMEA) vai falar sobre a ativismo, autocuidado e cuidado coletivo, em live super especial! Analba Teixeira, educadora do SOS Corpo é uma das anfitriãs! Não perca, vai ser lindo!

Na quinta-feira (1), Verônica Ferreira, integrante do SOS Corpo, é uma das convidadas do “Conversas com a Böll: olhando para o futuro”, que discute as saídas para a democracia brasileira frente ao projeto autoritário em curso no país.

Em entrevista ao Programa Entre da Rádio Frei Caneca, o jornalista Chico Ludermir, Carmen Silva, socióloga, feminista antissistêmica popular, que integra o coletivo político-profissional do SOS Corpo, conversou sobre os impactos da pandemia para o Brasil.

Corrente em que surfou presidente é antiga e tem raízes profundas: autoritarismo, machismo, concentração de terras, escravidão. Mas pandemia impulsionou debates sobre novos projetos — serão capazes de levantar uma nova onda de resistência?

Publicação recém lançada pelo blog marxismo21 reúne 15 artigos de 17 intelectuais, pesquisadoras e militantes feministas que aprofundam as discussões sobre questões chave da teoria, tendo o feminismo socialista como fio condutor.

bservatório criado por organizações e movimentos feministas antirracistas e de Direitos Humanos denunciará retrocessos, fará pressão política e fortalecerá redes de solidariedade. É um caminho para enfrentar viés antidemocrático do governo — que fecha conselhos e espaços participativos