De acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), em 2018, as mulheres representavam 92% do trabalho doméstico no país. Nas últimas três semanas, não foi raro ouvir falar sobre diaristas que foram dispensadas e ficaram sem renda ou empregadas domésticas que estavam a depender da consciência dos patrões para poder ficar em casa e se proteger do coronavírus.

Essa sua fala é triste, mas não me surpreende. Esse é o pensamento de grande parte da elite brasileira, que quer deixar “cada um no seu devido lugar”, que “não se mistura”, que acha um absurdo um pobre e/ou preto ter o mesmo direito que eles ao lazer, à educação, à habitação – e, como você, falam sobre isso com a maior naturalidade, nem conseguem se atentar ao absurdo dessas considerações. O atual governo é o reflexo de uma sociedade escravagista que sempre teve o olhar nos moldes operantes do patrão e não do trabalhador.

Em resposta a afirmação racista do Ministro da Economia Paulo Guedes sobre alta do dólar impedir domésticas de irem à Disney, a Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas (Fenatrad) lançou ontem nota de repúdio contra o Ministro.