Em nota, a Frente Nacional Conta a Criminalização das Mulheres e pela Legalização do Aborto pergunta: quanto mais sofrimento e morte falta para nossa gente perceber que a criminalização do aborto é expressão da violência racista e sexista no Brasil?

Integrante da rede que protegeu a garota capixaba conta: movimento feminista e médico corajoso foram cruciais para garantir o direito à interrupção da gravidez. Mas para avançar, é preciso batalha cultural contra o fundamentalismo. Escute Silvia Camurça em entrevista a Gabriela Leite, no Tibungo

A Frente Nacional Contra a Criminalização das Mulheres e Pela Legalização do Aborto mobiliza ação de solidariedade internacional ao CISAM, hospital de referência em procedimentos de aborto legal ameaçado por políticas fundamentalistas. Assine a petição!

Com a decisão de fechamento do serviço de referência para atendimento a mulheres vítimas de violência sexual para realização do aborto legal, é a vida das mulheres que está em jogo. São sobretudo mulheres empobrecidas, negras e periféricas que tem mais uma vez seus direitos violados.

O artigo Laicidade e Direito ao Aborto: interseções e conexões entre o debate feminista secular e feminista religioso, escrito pela pastora Romi Bencke, explora como a luta pelo direito ao aborto deve ser feita também através da religião.

Em 28 de setembro, o Paraguai aderiu à “Ação global pelo aborto legal e seguro” com um ato de visibilidade no qual um manifesto foi lido acompanhado por 20 organizações feministas.

Alguns dias antes do dia 28 de setembro, Dia Mundial de Ação pelo Aborto Legal, Oaxaca deu um passo histórico na vida das mulheres e se tornou a segunda entidade mexicana a legalizar o término voluntário da gravidez. No Equador, no entanto, a Assembléia Nacional decidiu continuar forçando meninas, adolescentes e mulheres estupradas a dar à luz.