#600atéOFim: Bolsonaro tira R$300 do auxílio emergencial conquistado por movimentos sociais

No episódio 36 do A Casa é Sua dessa semana, o programa da Plataforma dos Movimentos Sociais pela Reforma do Sistema Político mostra como prorrogar o auxílio até dezembro no valor de R$ 300,00 reais não será suficiente para garantir uma qualidade de vida à quem mais precisa. #600AtéOFim

Foram meses desde o primeiro caso de coronavírus registrado no Brasil até que o governo federal tomasse alguma atitude mínima para assistir de milhões de mulheres e homens que estavam em situação de total desproteção social. Com muita pressão, movimentos sociais e partidos da esquerda conseguiram aprovar no Congresso Nacional o Auxílio Emergencial no valor de R$600, quando o governo Bolsonaro propunha um valor pífio de R$200.

No dia 1° de setembro, terça-feira, o governo federal anunciou a continuidade do Auxílio Emergencial por meio de uma Medida Provisória. Porém, o valor que Bolsonaro decidiu pagar até dezembro é de apenas R$ 300,00.

O auxílio emergencial foi uma conquista dos movimentos sociais em resposta à situação enfrentada pelo país em meio ao contexto de pandemia pela Covid-19 pra possibilitar a sobrevivência de brasileiras/os, que sofrem com o aprofundamento das desigualdades. Mais de 120 mil pessoas já foram mortas pela Covid-19 e perto de 4 milhões de pessoas estão infectadas.

No episódio 36 do A Casa é Sua dessa semana, o programa da Plataforma dos Movimentos Sociais pela Reforma do Sistema Político mostra como prorrogar o auxílio até dezembro no valor de R$ 300,00 reais não será suficiente para garantir uma qualidade de vida à quem mais precisa.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Next Post

SOS Corpo participa de debate sobre violência doméstica em tempos de pandemia

sáb set 5 , 2020
Em debate realizado pelo Coletivo Mulher Vida, em transmissão online no facebook no último dia 02 de setembro, Carmen Silva, educadora do SOS Corpo e militante feminista do Fórum de Mulheres de Pernambuco, foi uma das convidadas para falar sobre os agravamentos da violência doméstica contra as mulheres em tempos de pandemia.