Conversamos com Rivane Arantes sobre as discussões resultantes do intercâmbio de experiências promovido pelo Fundo Labora, nos dias 23 e 24 de maio, entre o SOS Corpo Instituto Feminista para a Democracia e o Centro de Estudos Sindicais e Economia do Trabalho (CESIT) da UNICAMP, venha conferir um pouco mais dessa experiência.

A luta por direitos e melhores condições de vida das Trabalhadoras Domésticas nos dá veredas para entender o profundo significado do passado, presente e futuro das relações sociais e, da luta por direitos e democracia no Brasil.

Depois do filme sobre Lenira Carvalho ter circulado em diversas cidades do Brasil e em capitais de países na Europa, convidamos Sophia Branco, uma das diretoras do filme, para contar sobre a recepção dessas exibições e as reflexões trazidas pelo público depois de assistirem o documentário. Sophia traz neste texto as considerações de muitas mulheres que são ou foram trabalhadoras domésticas, de filhas e filhos de trabalhadoras e ex-trabalhadoras, assim como de mulheres migrantes que viajam para Europa em busca de melhores condições de vida, mas acabam precisando viver nas casas onde trabalham. O filme provoca emoções fortes, porque revela nas palavras pedagógicas da nossa companheira Lenira as feridas sociais que persistem desde a invasão colonial.

💥 Faísca [Ep2]💥O tempo, o custo e a política do cuidado. Conversamos sobre os mundos do trabalho, a política do cuidado, seu custo, além de importância da organização da luta e da figura histórica que foi a nossa companheira, Lenira Maria de Carvalho.

Hoje é Dia da Trabalhadora Doméstica e, pela segunda vez, a data acontece em meio à crise da covid-19 no Brasil. Para Luiza Batista, presidente da Fenatrad (Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas), não há o que comemorar: a categoria, formada principalmente por mulheres negras, segundo a OIT (Organização Internacional do Trabalho), é uma das mais afetadas pela pandemia.

Série de reportagens do LeiaJá analisa os impactos sofridos pela categoria no período de crise sanitária oriunda da Covid-19, da perda em massa de emprego à piora das condições de trabalho.

Na última noite dos debates sobre Trabalho Doméstico no Brasil, no ciclo Diálogos Impertinentes, Luiza Batista (FENATRAD) e Rivane Arantes (SOS Corpo) destacam pontos que marcam os conflitos e as conquistas de direitos das trabalhadoras domésticas ao longo da luta e da organização da categoria.

Luiza Batista, presidenta da FENATRAD, e Rivane Arantes, educadora do SOS Corpo, são as convidadas para a última noite do ciclo de debates Diálogos Impertinentes sobre o Trabalho Doméstico no Brasil, que vai ao ar nesta quarta-feira, 28 de outubro, às 19h. Saiba mais!