São 15 meses de uma pandemia que tem potencializado a crise social e política provocada pela política de morte do Governo Bolsonaro. Leia no especial sobre a revolução solidária, as experiências de quem tem lutado para não deixar o povo sucumbir.

O desemprego, a extrema pobreza e a emergência sanitária afetam mais as mulheres no País, que contam com redes de solidariedade e ação política para enfrentar as consequências da crise agravada pela COVID-19. Por Larissa Brainer, na Revista Bravas.

A série de diálogos promovida pelo Núcleo de Pesquisa em Participação, Movimentos Sociais e Ação Coletiva (NEPAC/Unicamp) traz nesta sexta-feira, 23 de outubro, às 18h, o debate sobre democracia, participação e movimentos sociais em tempos de pandemia, que terá a educadora do SOS Corpo, Carmen Silva, como convidada.

A segunda live do SOS Corpo reuniu diferentes movimentos sociais que debateram as saídas que estão sendo construídas pela sociedade civil no enfrentamento da crise provocada pelo coronavírus e pelo governo Bolsonaro. Assista!

Corrente em que surfou presidente é antiga e tem raízes profundas: autoritarismo, machismo, concentração de terras, escravidão. Mas pandemia impulsionou debates sobre novos projetos — serão capazes de levantar uma nova onda de resistência?

Observatório Direitos Humanos e Crise Covid19 promove um debate online para discutir a necessidade de uma ação coordenada com efetivação de direitos humanos para superar a crise política, econômica, social e de saúde pública que se agrava com o novo coronavírus.

Vídeo feito pela Ação Comunitária Caranguejo Uçá mostra uma síntese dos principais momentos da programação que contou com aula pública, tarde de resistência político-cultural e os dois dias do Seminário, que reuniu pessoas dos 9 estados no nordeste.

Curso nacional de caráter teórico-político organizado pelo SOS Corpo reuniu mais de 50 mulheres de diferentes partes do país em quatro dias de exposições, debates e grupos de trabalho que tiveram como inspiração, os feminismos e a luta antissistêmica para o fortalecimento do movimento feminista no processo de resistência democrática.

Na condição de Instituto Feminista para Democracia, vimos somar nosso repúdio às vozes das mulheres e homens que fazem o MST contra o despejo do Centro de Formação Paulo Freire, em Caruaru (PE), solicitado pelo INCRA.