Grávidas sofrem mais com a segunda onda de COVID-19 no Brasil e a principal causa de morte são as falhas no atendimento. Situação calamitosa expõe a política genocida de Bolsonaro com mulheres negras. Para entender melhor o que está acontecendo, entrevistamos o ginecologista Melania Amorim da Rede Feminista de Ginecologistas e Obstetras.

O desemprego, a extrema pobreza e a emergência sanitária afetam mais as mulheres no País, que contam com redes de solidariedade e ação política para enfrentar as consequências da crise agravada pela COVID-19. Por Larissa Brainer, na Revista Bravas.

Desde a última semana que o corpo de trabalhadoras do SOS Corpo retomou o trabalho presencial na sede. Porém, seguindo as recomendações sanitárias de evitar aglomerações, a sede permanece fechada para o atendimento público.

Centenas de meninas e adolescentes sofrem gravidez forçada em decorrência de estupro e negligência do governo peruano, que as revitimiza e tortura ao impedir que tenham acesso à contracepção oral de emergência (ECC) e ao aborto terapêutico. Durante a quarentena, 786 estupros foram registrados, mas apenas 250 vítimas receberam o Kit de Emergência contendo o AOE.

Isabel Cortez é trabalhadora da limpeza pública e enfrenta diariamente um estado de indiferença, maus tratos, agressões e ameaças. Hoje sua luta se torna mais complexa devido à pandemia de Covid-19. Hoje sua luta fica mais forte.

1

A denúncia traz uma série de apontamentos resgatando os vários momentos deste período da Pandemia no Brasil, aponta posturas irresponsáveis do Presidente da República Jair Bolsonaro e denuncia que o Brasil não tem conseguido adotar “medidas sanitárias e de proteção social da população, com a robustez que seria necessária para o caso, inclusive já experimentadas e adotadas por vários países”.

Corporações sustentam governos que trabalham a seu serviço, destruindo confiança na Democracia. Mas foi dentro dela que conquistamos avanços importantes, e apenas uma defesa rebelde em seu nome garantirá ampliação da justiça e igualdade.

Em Santiago do Chile, há uma prisão à qual chegam centenas de cartas, de muito longe e de muito perto. Há, sim, quem quer saber como são seus dias durante a pandemia. Uma professora de literatura conta que, nas prisões, a carta ainda é um meio de comunicação importante e que as mulheres têm medo de morrer ali sem poder ver seus filhos e filhas. E pode ser que estas cartas sejam sua maior companhia.

Que mundo é esse que nos fez chegar nesse estado de coisas? Uma pandemia incontrolável e veloz avança sobre a vida humana, em escala global. O poder do vírus desafia a ciência, os Estados-nação, as entidades multilaterais. O assombro do mundo vem dos sucessivos anúncios, mesmo nos países do Norte, da incapacidade de salvar vidas e evitar o número de mortes diárias e as imagens terríveis que se espalham velozmente.

A situação das trabalhadoras domésticas na América Latina e no Caribe foi sempre precária, vulnerável e esquecida. Entretanto, com a pandemia, seu trabalho cobrou mais relevância do que nunca nesse setor da economia que emprega uma importante proporção de mulheres na região.