O Paraguai, como em outros países da América Latina, ainda está longe de ter políticas de proteção social para quem trabalha com arte e cultura – um dos setores mais afetados pela pandemia – mas também para a população em geral. O cenário se torna muito mais complicado para as mulheres de arte, cujas tarefas são agravadas pela carga de cuidados. Neste contexto de crise, todos os dias eles iniciam sua criatividade para enfrentar o duplo desafio de garantir seus meios de subsistência e continuar fazendo arte.

Como se vinculam a situação das mulheres, a administração dos recursos naturais e os conflitos relativos ao meio ambiente e à pandemia? Como se reconstrói depois de uma crise de dimensões planetárias? Durante a entrevista, Maite Rodríguez vai costurando, um a um, esses conceitos.

A Guatemala é um país conhecido por suas abismais desigualdades. Os números se agravam para a população indígena, que é marginalizada por um Estado historicamente racista e misógino que não apenas lhes deixa de lado, mas também utiliza todo o aparelho de poder para seu controle e dominação.

Que mundo é esse que nos fez chegar nesse estado de coisas? Uma pandemia incontrolável e veloz avança sobre a vida humana, em escala global. O poder do vírus desafia a ciência, os Estados-nação, as entidades multilaterais. O assombro do mundo vem dos sucessivos anúncios, mesmo nos países do Norte, da incapacidade de salvar vidas e evitar o número de mortes diárias e as imagens terríveis que se espalham velozmente.

A situação das trabalhadoras domésticas na América Latina e no Caribe foi sempre precária, vulnerável e esquecida. Entretanto, com a pandemia, seu trabalho cobrou mais relevância do que nunca nesse setor da economia que emprega uma importante proporção de mulheres na região.

No Paraguai, a suspensão das aulas para evitar mais infecções por coronavírus acrescenta outro ônus à vida das pessoas que cuidam, a maioria das quais são mulheres. Além de sobreviver à pandemia e garantir que não falte comida para a família – e às vezes também para a comunidade -, agora é acrescentado o papel de professoras.

O estado de isolamento social no Peru foi estendido até 30 de junho. Uma medida necessária para combater a pandemia de Covid 19, mas que gera um aumento de agressões, estupros, assassinatos e desaparecimentos de mulheres, meninas e adolescentes. O Peru está em crise de saúde e social, onde as mulheres continuam sendo relegadas pelo Estado e pelo aparato da justiça.

Aproveitando a crise devido à pandemia de Covid 19, Kevin Villanueva, um dos culpados do feminicídio da feminista Solsiret Rodríguez, solicitou sua libertação da prisão por um possível “contágio por vírus”. Estamos procurando Sol por 4 anos e não vamos parar até que façamos justiça.

Com a adesão de Tucumán, o treinamento com uma perspectiva de gênero sobre violência sexista torna-se obrigatório para funcionários públicos nos três ramos do Estado na Argentina.