No próximo ano, 2020, teremos eleições municipais no Brasil. Em que medida a ação dos movimentos de mulheres e feministas contribuíram para que gestores/as públicos passassem a planejar as cidades com uma perspectiva de gênero?

Artigos elaborados por pesquisadoras que integram o Instituto trazem reflexões sobre direitos sexuais e reprodutivos, tema discutido na XIII Conferência Regional sobre a Mulher da América Latina e Caribe em 2016, e sobre o trabalho doméstico, uma das pautas da XIV Conferência que acontece em novembro deste ano no Chile e que terá como foco a autonomia econômica das mulheres.

As 82 organizações, redes e movimentos feministas e de mulheres signatários denunciam a existência na Nicarágua de uma situação de perseguição política e assédio contra mulheres presas presas no contexto da crise sociopolítica e de direitos humanos que o país vive desde abril 2018.

As forças conservadoras no poder lideram a pauta antifeminista, atentando contra a vida, a liberdade e a autonomia das mulheres como parte importante de seu projeto de restauração e aprofundamento da velha ordem excludente. Esse alerta tem como objetivo desmascarar a estratégia dos conservadores.

O 5º episódio do programa A Casa é Sua, da Plataforma dos Movimentos Sociais pela Reforma do Sistema Político, apresenta os desafios da participação das mulheres nos espaços da política institucional, ante a um cenário de ameaças aos direitos conquistados.

No âmbito do Dia Internacional da Mulher Rural, dezenas de camponeses saíram às ruas para exigir o reconhecimento de seus direitos, a proteção dos recursos naturais e a erradicação das desigualdades de gênero.

1

O machismo, enquanto cultura, e a misoginia, como conjunto de práticas que a sustentam, ocupam lugares privilegiados atualmente no Brasil. Mais que naturalizado, o pensamento supremacista masculino de extrema-direita passou a ser institucionalizado, presente em forma e conteúdo pela estupidez e brutalidade de cada posicionamento presidencial.

O Festival pela vida das Mulheres 2019 acontece em diversas cidades brasileiras de 22 à 28 de setembro, e promove ações reflexivas, informativas, formativas e político-culturais. Saiba mais!

Via Gênero e Número: País deve ser reeleito para o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas em outubro e se alinhar a grupos pró-família, mudando radicalmente posicionamentos sustentados há quase 20 anos.