Em meio à pandemia, que no Brasil já acumula mais de 14 mil mortes, estados e municípios publicam decretos incluindo o trabalho doméstico como atividade essencial, em equivalência a bancos e mercados. Precisamos impedir esse absurdo! Faça sua pressão agora no site: http://www.cuidadequemtecuida.bonde.org/

O SOS Corpo realizou na última quinta-feira (14) a sua primeira transmissão ao vivo durante a quarentena do coronavírus. Confira no vídeo como foi a conversa, que discutiu o aprofundamento de contradições do sistema capitalista e a superexploração das mulheres no século XXI.

No campo e na cidade, são muitos os problemas que afetam a vida das mulheres. E as violências – resultantes de questões sociais ainda longe de serem resolvidas, como o machismo, a especulação imobiliária e a invasão e devastação de territórios -, tendem a se agravar entre as campesinas, principalmente quando a certeza da impunidade vigora.

A Federação Internacional das Trabalhadoras Domésticas (FITD) está realizando uma pesquisa, em parceria com organizações de trabalhadoras doméstica em diferentes locais do mundo, para investigar como está a situação e as condições de vida dessas mulheres durante a pandemia.

O home office, forma de trabalho amplamente falado neste contexto de pandemia do covid-19, esconde algumas desigualdades, entre elas a ampliação da divisão sexual e racial do trabalho. Para discutir essas questões, o SOS Corpo realiza no próximo dia 14 uma transmissão ao vivo, com Maria Betânia Ávila e Fran Ribeiro. Não perca!

A Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas e diferentes organizações da sociedade civil emitiram nota exigindo a revisão do decreto nº729, do Estado do Pará, que reforça a ideologia escravocrata ao incluir as trabalhadoras domésticas como serviço essencial. Entenda.

Como fazer o isolamento nas casas pequenas onde moramos? Pensando a realidade de milhares de famílias que sofrem com as péssimas políticas habitacionais, o Fórum de Mulheres de Pernambuco elaborou manual prático com informações importantes. Conheça e compartilhe!

A “nova fórmula de sucesso” do sistema para explorar a classe trabalhadora, o home office tem ganhado um discurso que naturaliza uma velha prática: a divisão sexual e racial do trabalho. A superexploração sobrecarrega ainda mais o trabalho produtivo e reprodutivo das mulheres.