Hardcore feminista fortalece luta antifascista em Recife

Afronta, banda feminista de crust/hardcore de Fortaleza que lança seu split ULTRIZ em tour pelo nordeste. Foto: Natercia Santana.

Nesta sexta-feira, 06 de setembro, a cena underground recifense vai ser ocupada por muito hardcore feminista. O Afrontour Hellcife é o evento que irá reunir diferentes bandas do gênero para o lançamento do split* ULTRIZ da banda feminista cearense de crust/hardcore Afronta, a partir das 19h no Darkside Studio, na Boa Vista. O evento é uma construção colaborativa de diferentes coletivas e bandas de punk, hardcore, grunge, stoner, grind formadas por mulheres da cidade de Recife e que tem o objetivo, além de ocupar um cena musical que majoritariamente é hegemonizada por homens, estimular o pensamento crítico da música e da arte como fios condutores de resistência ao fascismo.

Em entrevista ao SOS Corpo, Lara Buitron, militante feminista do Fórum de Mulheres de Pernambuco e da Coletiva MULEsta, falou sobre a organização do evento que prevê também um discussão importante sobre a construção da luta coletiva na rua como uma resposta aos avanços fascistas na sociedade promovidas pelo atual governo de extrema-direita.

SOS Corpo – Como surgiu a iniciativa de realizar o evento? 

Lara Buitron – O evento surge porque a Afronta é uma banda feminista de Fortaleza e que está em processo de divulgação do split que elas fizeram com a também banda feminista de São Paulo, a Eskröta, e elas trazem o lançamento para o nordeste. Foi quando elas entram em contato com as coletivas locais da cena underground para uma construção em conjunto do lançamento. Elas entraram em contato com a MULEsta e com a banda Arquivo Morto, que faz parte do coletivo misto M1. A banda Exsim foi também convocada pela Afronta. É importante frisar que são coletivas e bandas parceiras de longa data. Como um coletivo feminista dentro da cena underground, a gente considera fundamental fortalecer uma cena antifascista. A gente não acredita nessa história de música pela música. A gente acredita que produzir um show é produzir um espaço de discussão, de disseminação de informação de “faça você mesma”.

SOS Corpo – Qual o sentido de aliar arte, música e política como forma de resistência ao atual contexto que estamos vivendo?

Lara Buitron – Nesse momento a gente precisa pensar em diversas maneiras de contestar e desmascarar o desgoverno fascista e a gente vai numa linha de fazer propaganda antifascista pela ação. Pensando nisso a gente acredita que a arte é um fio condutor poderoso para estimular o debate. E no underground o ativismo é meio diferente né, o artevismo, do que a gente tá acostumada a ver no processo de arte popular. A gente é potencialmente agressiva, a gente mexe com sentimentos que a galera não quer mexer. A gente estimula a raiva como um sentimento antissistêmico, encara o nojo, o ódio, a raiva como força motriz da revolta. Por isso, pra gente é importante estar disseminando esse lado da Afronta, do hardcore, do underground em geral.

SOS Corpo – Além das apresentações musicais, está prevista uma roda de diálogo. Qual o objetivo dela?

Lara Buitron – A gente tenta sempre fazer uma roda de diálogo em todo show que a gente constrói e a roda nesse show especificamente é “a construção coletiva da luta na rua: uma resposta ao fascismo. A gente entende que a luta é cotidiana e ela precisa ser pensada nos espaços de prática que a gente ocupa, que no caso é o underground. A roda de punk, por exemplo, ainda intimida muito as mulheres, as pessoas não-binárias, trans, e a gente vem ocupando esses espaços, ocupando esses processos. E a gente entende isso, estamos numa disputa diária de boys e a rua é muito importante nesse sentido, mas a gente não quer ocupar a rua sem entender o porquê de estar lá. Por isso que a gente convidou algumas companheiras que atuam em movimentos sociais para conseguir mostrar que existem várias formas de combater o fascismo e que estar na rua, como no dia 7 de setembro, que o Grito dos Excluídos é uma resposta histórica ao mito da independência brasileira, e que no fim das contas o 7 de setembro como um feriado é apenas um feriado para o exército desfilar o seu poderio militar, e estar na rua nesse processo é importante para ser uma resposta, principalmente agora que a gente está nesse momento de fascismo social, que a gente corre perigo por estar andando na rua, quanto mais de estar ocupando ela. Aí a gente traz esse debate para estimular mesmo o pensamento crítico e entender o porquê é tão importante estar na rua.

Ouça aqui uma das músicas do split ULTRIZ das bandas Afronta e Eskröta: 

Sobre o evento: 

A cena underground sempre foi majoritariamente masculina, principalmente no som extremo, em resistência, trazemos para Recife a AFRONTA, banda cearense de  que enxerga no feminismo, nas ações antifascistas e na educAÇÃO o impulso para a transformação, que vem em tour pelo nordeste lançando o split ULTRIZ.

Mostramos que esses espaços devem ser confortáveis e ocupados por nós, chamamos a todes para encorajar mais mulheres a terem bandas, criarem coletivos, rodas de conversa, pra ser o que elas quiserem.

CoLaboram: MULEsta, Coletivas, M1 e bandas Exsim, Liar Wich, Surt e Arquivo Morto

AFRONTOUR HELLCIFE

06/setembro a partir das 19h

no Darkside Studio – Rua Barão de São Borja, 89

10$ pila

*Split é um produto musical gravado em parceria (featuring) por duas bandas, numa espécie de EP.

Deixe uma resposta

Next Post

¡Todas somos Natalie! Madre es condenada en Uruguay por no estar durante la muerte súbita de su bebé

qui set 5 , 2019
Una bebé sufrió muerte súbita en la madrugada del 25 de agosto. Estaba al cuidado de una de sus hermanas, porque su madre, Natalie, trabajaba. La niña hubiera muerto de todos modos, aunque la madre hubiera estado a su lado. Pero, como no estaba, fue imputada por omisión de los deberes inherentes a la patria potestad: fue condenada a libertad vigilada durante 8 meses y, con gran virulencia, al escarnio público.
Instagram did not return a 200.
%d blogueiros gostam disto: