Ocupe Passarinho Ano IV: resistência na luta por direitos!

Acontece neste sábado, 07 de dezembro, a partir das 9h da manhã, na Praça da Estrada de Passarinho, na zona norte de Recife, mais uma ação-político cultural organizado pelo Grupo Espaço Mulher, que alia arte, cultura e bem estar na luta por direitos básicos para a comunidade. O Ocupe Passarinho surgiu em 2015 para reivindicar políticas públicas como saúde, educação, saneamento básico e moradia. Veja no vídeo abaixo.

“Foram várias parceiras junto com a gente, o SOS Corpo, a Casa da Mulher do Nordeste, ActionAID e várias outras, que construíram esse projeto que a gente tá fazendo até hoje”, explica Edcleia Santos, moradora de Passarinho e integrante do Grupo Espaço Mulher, coletivo autorganizado de mulheres negras que desde a década de 1990 faz a resistência popular em busca de direitos.

Já em seu 4º ano, o Ocupe Passarinho é uma ação-político-cultural que busca expressões do artivismo para fazer o diálogo na comunidade. Através de diferentes formas, a atividade faz a resistência no território pelo direito à ter políticas públicas básicas, como acesso à educação. “Essa é uma luta grande da comunidade, que é uma luta por educação, que desde o começo da comunidade a gente não tem nenhuma creche e a única escola que tem só atende até o 5º ano, que é a antiga 4ª série. Então a criança, dependendo da idade, ela sai da comunidade. E a escola não agrega todas as crianças da comunidade, tem outras ainda fora da escola porque a escola não tem vaga”, conta Edcleia. De acordo com o Censo Escolar de 2018, a Escola Municipal Marluce Santiago só tem vagas para 363 alunos, dos ensinos infantil e fundamental I, algo que é insuficiente diante de uma comunidade que possui pouco mais de 20 mil habitantes.

Edcleia Santos, do Grupo Espaço Mulher. Foto: Casa da Mulher do Nordeste.

Sem alternativa, já que o anexo à escola que foi inaugurado em 2017 até o momento não está funcionando, as crianças seguem amontoadas em salas pequenas. “Até hoje não tem nenhuma criança nesse anexo porque tá esperando não sei o quê da gestão para colocar essas crianças lá. Já começou a matrícula, mas até agora a gente não sabe se em 2020 vai começar a funcionar o anexo ou não”. 

Outra pauta urgente reivindicada pelo Ocupe Passarinho é a precarização da saúde pública, já que o posto de saúde, que atende 4 mil pessoas por mês, está novamente sem médicos em diferentes especialidades e falta medicamentos. Caso alguém precise de atendimento, tem que ir até a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Nova Descoberta, que fica à 4 quilômetros da comunidade, e mesmo assim, não há a garantia de atendimento. Essas e outras reivindicações que são prioritárias constam na carta política do Ocupe Passarinho, que será lida durante a ação no próximo sábado, dia 07 de dezembro.

Artivismo: instrumento na luta por direitos básicos

A programação do Ocupe Passarinho conta com um dia inteiro de atividades, que alia a arte para a reivindicação de direitos básicos, fazendo a luta através da alegria e da promoção de bem estar. Ao longo da semana, as mulheres do Espaço Mulher tem passado de porta em porta para divulgar a ação na vizinhança. Segundo Edcleia, “nossa expectativa é que se somem outras pessoas além da comunidade, e várias parceiras para estarem junto com a gente”.

A ação político-cultural começa às 9h na sede do Espaço Mulher, onde acontece o tradicional Beleza Negra, que tem o objetivo de valorizar a estética negra e enaltecer a beleza das mulheres de Passarinho. A atividade conta com corte de cabelo, oficina de turbante e de produção de shampoo artesanal, design de sobrancelhas e aferição de pressão arterial. E para as crianças, enquanto as mães participam da atividade, oficina de contação de histórias, de pipa e muito mais. Ao longo do dia haverá ainda bingo, feira agroecológica e de artesanato.

“Vai ter também bazar, palanque feminista, vai ter a carta política que vamos ler para a comunidade e várias atrações culturais como o Maracatu de Mestra Joana do Pina, Cordão Bruta Flor com Lu Matos, a Batucada Feminista do Fórum de Mulheres de Pernambuco…então a gente tá na expectativa de que dê tudo certo para gente sair fazendo revolução dentro de Passarinho! E a gente convida a todo mundo pra tá com a gente”, convidou Edcleia.