• Home »
  • conjuntura »
  • Genocídio de jovens negros e pobres como política de Estado: a sociedade brasileira precisa dar um basta!

Genocídio de jovens negros e pobres como política de Estado: a sociedade brasileira precisa dar um basta!

Fonte: Plataforma Brasileira de Direitos Humanos – Dhesca Brasil

Nota pública da Plataforma Dhesca Brasil sobre as mortes de Lucas Martins dos Santos na cidade de Santo André e dos nove jovens na favela de Paraisópolis na cidade de São Paulo.

A Plataforma Brasileira de Direitos Humanos – Dhesca Brasil vem a público denunciar como o racismo estrutural que fundamenta as ações da Polícia Militar do Estado de São Paulo destrói famílias de crianças e jovens negros e pobres diariamente. Manifestamos nosso apoio e solidariedade a estas famílias, que merecem uma explicação do Estado sobre as circunstâncias da brutalidade da morte de seus entes queridos, e nossa profunda indignação frente à defesa do Governador do Estado de São Paulo – noticiada pela imprensa – de uma política de segurança pública que assassina e viola direitos impunemente.

Durante as últimas semanas, o Estado de São Paulo se deparou com mais crimes bárbaros cometidos pela Polícia Militar. Em vez de garantir a segurança de todos os cidadãos, a instituição tem promovido ações desastrosas que culminam em um verdadeiro massacre à população negra e pobre.

Morador da Favela do Amor, Lucas dos Santos, de apenas 14 anos, desapareceu na porta de sua casa, em meados de novembro, e foi encontrado morto semanas depois em um lago na cidade de Santo André. Após uma abordagem policial na porta de sua casa, a criança não foi mais vista.

Outro crime perpetrado por ação deliberada da Polícia Militar de São Paulo causou a morte de nove jovens que tinham entre 14 e 23 anos, no dia 01 de dezembro, após tumulto causado por PM’s em um baile funk na favela de Paraisópolis. Os relatos apontam que houve uma emboscada por parte dos agentes de segurança pública, que fecharam todas as quatro saídas possíveis do local do baile e que perseguiram pessoas pelas vielas de Paraisópolis de forma truculenta. No primeiro momento, foi noticiado que os jovens teriam morrido em decorrência de pisoteamento. No entanto, segundo a imprensa, consta nos atestados de óbito que as mortes teriam sido causadas por asfixia mecânica e traumas na coluna.

O crescimento acelerado dos casos de violência cometidos pela Polícia Militar e por outros agentes e instituições públicas, e do estímulo à perseguição e aos crimes de ódio exige que as diferentes forças da sociedade brasileira comprometidas com o Estado Democrático de Direito se somem, urgentemente, aos movimentos negros, de direitos humanos e outros movimentos sociais e redes de sociedade civil. É necessário um posicionamento firme contra essa barbárie e a responsabilização das autoridades públicas que a alimentam perversamente.