• Home »
  • #lutafeminista »
  • Campanha nacional quer barrar inclusão de serviços domésticos de atividades essenciais nos estados. PRESSIONE AGORA!

Campanha nacional quer barrar inclusão de serviços domésticos de atividades essenciais nos estados. PRESSIONE AGORA!

Em meio à pandemia que no Brasil já acumula 13.280 mortes e 192.260 casos do novo coronavírus, estados e municípios publicam decretos incluindo o trabalho doméstico como atividade essencial, em equivalência a bancos e mercados. Pará, Maranhão, Rio Grande do Sul e mais recentemente Ceará, estão na lista. Para evitar que mais estados adotem a medida, a Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas (Fenatrad) mobiliza campanha nacional para pressionar o Ministério Público do Trabalho (MPT) para incidir na fiscalização.

Na contramão das medidas de isolamento social os decretos impactam a vida de milhares de trabalhadores e das suas famílias. A categoria é atualmente composta por 6,4 milhões de trabalhadores(as), sendo 95% mulheres, 63,3% negras, pobres, de baixa escolaridade, moradoras de áreas periféricas e usuárias de transporte coletivo.

De acordo com Nota Técnica do Ministério Público do Trabalho, as trabalhadoras domésticas só poderão trabalhar durante a pandemia nas hipóteses em que a prestação de seus serviços seja absolutamente indispensável, como no caso de pessoas cuidadoras de idosas e idosos que residam sozinhos, de pessoas que necessitem de acompanhamento permanente.

Em nenhum dos casos dos estados que incluíram o trabalho doméstico nas atividades essenciais as diretrizes do MPT foram devidamente observadas, o que gerou diversas críticas da sociedade e a mobilização de movimentos sociais e organizações sindicais. Para a presidenta da Fenatrad, Luiza Batista, a inclusão do serviço doméstico nas atividades essenciais é uma expressão do racismo de nossa sociedade. “Sempre lutamos por valorização e a sociedade nunca quis reconhecer a importância do serviço doméstico. Aí neste momento de pandemia, a casa grande que está em quarentena, não quer se dar ao trabalho de fazer as próprias tarefas domésticas. Colocar o serviço doméstico como essencial de forma generalizada é uma crueldade. As trabalhadoras domésticas também têm famílias”, afirma.

Em resposta aos decretos, com o objetivo de barrar iniciativas semelhantes em outros estados, a Federação das Trabalhadoras Domésticas lança nesta sexta a campanha “Cuide de Quem te Cuida”, para pressionar o MPT a fiscalizar os estados.

“Exigimos que as medidas sejam revertidas e que o trabalho doméstico só seja considerado essencial nos casos realmente indispensáveis! Vamos encher o Procurador Geral do MPT, Alberto Balazeiro,  de milhares de emails de pressão de brasileiros e brasileiras que sabem que precisamos assegurar os direitos dos trabalhadores e trabalhadoras domésticos. Precisamos agir rápido antes que essas famílias sejam postas em risco: envie seu recado agora!” aponta o texto de convocação da campanha. 

 A campanha pode ser conferida no site:

http://www.cuidadequemtecuida.bonde.org/