1

A nova publicação do SOS Corpo é de autoria coletiva e contém impressas em suas páginas reflexões sobre os desafios de organização, atuação e articulação do movimento feminista brasileiro contemporâneo frente ao contexto histórico-político que temos vivido ao longo dos últimos anos. Baixe agora!

Durante a edição do curso Caleidoscópio do mês de agosto, conversamos com mulheres ligadas ao Coletivo de Mulheres de Jaboatão, ao Espaço Mulher e ao MMTR-NE sobre as práticas de transformação do feminismo popular como potência na luta por direitos sociais.

Betânia Ávila, socióloga e pesquisadora do SOS Corpo, apresentou algumas das facetas do neoliberalismo em articulação com os fundamentalismos e suas implicações na vida social durante sua participação na edição de julho do curso Caleidoscópio.

Sônia Mota, pastora presbiteriana e teóloga feminista da Coordenadoria Ecumênica de Serviço (CESE), falou sobre os interesses geopolíticos violentos e autoritários dos fundamentalismos no processo de colonização do território brasileiro e na opressão contra as mulheres.

Talita Rodrigues compartilhou a experiência de atuação do Coletivo Mangueiras na periferia de Recife e Salvador através do projeto InfoBike – Pedalando Por Direitos, na edição de julho do curso Caleidoscópio: Corpos Livres, Estado Laico.

A elite midiática e sua influência no atual cenário político brasileiro foi o tema da conversa com Ana Veloso, do Fórum Pernambucano de Comunicação, durante o curso Caleidoscópio. Para a ativista, a luta pela democratização dos meios de comunicação no Brasil enfrenta o avanço dos fundamentalismos.