• Home »
  • #lutafeminista »
  • Carta Capital – Betânia Ávila e os dados da pesquisa “Trabalho remunerado e trabalho doméstico no cotidiano das mulheres”

Carta Capital – Betânia Ávila e os dados da pesquisa “Trabalho remunerado e trabalho doméstico no cotidiano das mulheres”

O mundo gira, o tempo passa, mas o trabalho doméstico segue sendo um conflito cotidiano na vida das mulheres. Nova publicação do SOS Corpo debate a questão. O livro foi produzido numa co-edição com o Instituto Patrícia Galvão e traz análises a partir da pesquisa realizada pelo SOS Corpo em parceria com Data Popular.

– – – – –

Por Maíra Kubík Mano  /Revista Carta Capital

 

Você sabe como anda a divisão das tarefas domésticas na sua casa?

Pense rápido: na sua casa, quem é responsável por cozinhar? E por lavar a louça? E passar a roupa? E varrer o chão? E cuidar das crianças? E dos idosos?

Se a primeira pessoa que surgiu na sua cabeça foi uma mulher — pode ser você mesma —, sua resposta está de acordo com a grande maioria dos lares brasileiros. Uma pesquisa recente do SOS Corpo – Instituto Feminista para a Democracia junto com os Institutos Patrícia Galvão e DataPopular revelou que 98% das mulheres que trabalham fora sentem-se como as principais responsáveis pelas tarefas domésticas. Agora, os resultados obtidos nessa enquete, divulgados no início do ano, serão lançados como livro junto com textos analíticos.

O material tinha acabado de sair da gráfica em São Paulo, na semana passada, quando conversei com Maria Betânia Ávila, do SOS Corpo, sediada no Recife. “Os dados nacionais reforçam que a divisão sexual do trabalho continua profundamente desigual. As mulheres estão no mercado de trabalho, mas os homens não estão no trabalho doméstico”, comenta.

BetaniaAvila_AgenciaBrasil

Na entrevista abaixo, a pesquisadora fala sobre esse e outros resultados relevantes e aponta a necessidade de “desnaturalizar a divisão das tarefas domésticas”. A pesquisa “Trabalho remunerado e trabalho doméstico no cotidiano das mulheres” foi realizada na forma quantitativa em nove capitais e regiões metropolitanas e no Distrito Federal —Belém, Fortaleza, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Curitiba, Porto Alegre, São Paulo e Recife. Nas duas últimas a pesquisa também foi qualitativa.

 

CartaCapital: Como foi feita a pesquisa que deu origem ao livro?

A pesquisa foi quantitativa e também grupos com um recorte quantitavo em 9 capitais do país. Há dados mais gerais e outros que mostram alguns aspectos de como essa relação acontece no cotidiano. Os dados corroboram outros anteriores: as mulheres se declaram majoritariamente responsáveis pelo trabalho doméstico. A pesquisa revela também que os homens estão minoritariamente no trabalho doméstico. Quando o fazem é como um apoio, em tarefas muito específicas. As tarefas consideradas imprescindíveis, no ritmo que o trabalho doméstico exige, não há essa prática dos homens.

CartaCapital: O homem ajuda, mas não participa.

Não participa. Uma outra questão que a pesquisa traz é que quando os homens estão em casa eles aumentam as tarefas de trabalho das mulheres. Aumentam a demanda do trabalho doméstico ou que então atrapalham sua realização. É interessante ver que há uma consciência crítica das mulheres sobre o uso do tempo. Aparece um índice bastante significativo das mulheres que falam de falta de tempo para elas, o que é um dado bastante significativo e que não aparecia em pesquisas anteriores porque dos problemas do trabalho doméstico é essa naturalização, como se fosse uma coisa intrínseca das mulheres Em relação a esse tempo, 70% das mulheres sentem falta de mais tempo no seu dia-a-dia. Dessas, 58% dizem que falta um tempo para cuidar delas. Também falta tempo para ficar com a família, para se divertir, para descansar. A principal atividade de lazer para 49% das mulheres é a novela. A pesquisa mostra’também que os trajetos entre o trabalho remunerado e a casa, com toda a questão do transporte urbano, agregam-se ainda mais às dificuldades do cotidiano. Os deslocamentos aumentam muito o tempo da jornada de trabalho.

CartaCapital: E como elas encaram essas jornadas de trabalho?

Elas consideram que o trabalho remunerado é importante na vida delas e que o trabalho dos homens, segundo 73%, não é mais importante do que o delas. Mas há também contradições. Uma parte das mulheres nas faixas salarias de até 1 salário mínimo, ou seja, que estão nos trabalhos mais precários, se pudessem deixavam de trabalhar. É um índice pequeno, mas existe. Na pesquisa qualitativa, mostra que manter o trabalho remunerado e o não remunerado é um esforço de vida muito grande para 75% dessas mulheres. A pesquisa mostra ainda a importância do estudo. Há um sentimento de muita perda entre as que não puderam continuar estudando, o que se reflete numa outra coisa muito interessante, que é o investimento dessas mulheres para que seus filhos e filhas estudem para que possam alcançar uma outra qualidade de vida e outras possibilidades profissionais.

CartaCapital: Quais políticas públicas poderiam ser propostas para reverter tamanha desigualdade?

Hoje existe uma articulação dos movimentos de mulheres, feministas e de trabalhadoras no sentido de demandas de políticas públicas que venham dar suporte a esse conflito cotidiano na vida das mulheres. As principais políticas públicas que elas reivindicam são saúde, transporte e creche. No que diz respeito à saúde, elas são as responsáveis de levar as pessoas da família para os postos de saúde. A espera e a dificuldade de marcação da consulta agrega exigência de tempo para as tarefas reprodutivas. A questão da melhoria do serviço de saúde e da forma do acesso é para que isso não reverta em maior dificuldade de tempo. Ela não incide diretamente como política na relação trabalho produtivo/reprodutivo, mas da maneira como o sistema funciona acrescenta à elas uma carga que torna o cotidiano muito mais complicado. O transporte público, claro, porque a maioria das mulheres depende dele, e os longos trajetos. As mulheres moram longe de seus locais de trabalho. E a outra é a questão da creche, de que as mulheres precisam de locais para deixar os filhos e filhas.
[Alerta: esse blog não publica jabá nem recebe nada em troca da divulgação, nem mesmo um exemplar do livro!]

Serviço:

livro trabalhodomestico_cotidianoSOS-DATAP-IPG

“Trabalho remunerado e trabalho doméstico no cotidiano das mulheres”
105 pgs. Edições SOS Corpo

Contatos para aquisição:
SOS Corpo Instituto Feminista para a Democracia
Rua Real da Torre, 593
Madalena Recife-Pe
Fone: 81-30872086
e-mail: sos@soscorpo.org.br

Instituto Patrícia Galvão
Av. Brigadeiro Luis Antônio, 2050
Conjunto 52 Ala B
São Paulo – SP
fone: 11 – 32665434
e-mail contato@patriciagalvao.org.br

Fonte: Carta Capital – blog Território de Maíra