SOS Corpo participa do II Seminário Mulheres e Cidades [In]justiças Territoriais


A educadora do SOS Corpo, Mércia Alves, é uma das convidadas do II Seminário Mulheres e Cidade: (in) justiça territorial, que está sendo promovido pela organização Ciscsa (Centro de Investigaciones y Servicios del Cono Sur Argentina) e será realizado entre os dias 3 e 4 de maio na Faculdade de Filosofia e Humanidades, Universidade Nacional de Córdoba, na Argentina. O Seminário visa dar continuidade ao trabalho e discussões desenvolvidas durante o I Seminário, realizado em maio de 2017.

Durante esta oportunidade, participaram mais de 350 pessoas, cerca de 50 organizações de mulheres de 7 províncias, e um número importante de ONGs, organizações sociais e estudantis, equipes de saúde e outras instituições.  A metodologia de trabalho adotada em 2017 buscou combinar espaços de apresentação a cargo de referência da produção teórica em temas específicos que entrelaçam a mudança de debate sobre o direito da mulher à cidade, com espaços de debate participativo – oficina de formatação – começando das experiências diárias, as preocupações e reflexões das organizações de mulheres convocadas. Entendemos que esta foi uma modalidade que permitiu a consecução dos objetivos propostos. Na primeira edição do Seminário, os eixos de debate foram Infraestrutura e serviços: territórios e produção de habitat, divisão sexual do trabalho e trabalho de cuidado e violência contra a mulher. Esses eixos de debate foram abordados nos diferentes espaços, em termos de problemas e também estratégias para abordá-los.

 

A necessidade de politizar os debates das organizações de mulheres e aprofundar sua formação política, a necessidade de analisar cuidadosamente as transformações sociopolíticas e estatais em nosso país, a necessidade de aprofundar alianças e fortalecer organizações e perspectivas feministas dentro de nosso país. Organizações de mulheres foram algumas das conclusões transversais do Seminário. O mesmo foi considerado por muitos dos participantes não apenas como um espaço para debate, mas principalmente como um espaço de encontro.Nesse sentido, a segunda edição do Seminário-Taller visa sustentar essa dupla faceta, como espaço de debate e encontro, ao mesmo tempo em que sustenta o diálogo entre o conhecimento “acadêmico” e o conhecimento das organizações de mulheres desde a sua criação. experiência cotidiana

Orientados a aprofundar os debates iniciados no ano anterior, e buscando os mesmos objetivos gerais, em 2018 pretendemos abordar com mais profundidade os aspectos centrais em torno do direito das mulheres à cidade, abordadas na primeira edição. Habitat, violência e trabalho assistencial, avançando nos debates sobre bordas específicas desses três eixos principais. 
Ao mesmo tempo, estamos interessados ​​em incluir uma nova chave para a leitura dos problemas abordados, em torno da diversidade do coletivo de mulheres, os impactos específicos desses problemas em grupos específicos e as estratégias que são implantadas em torno deles. Mulheres jovens, trabalhadoras precarizadas, lésbicas e transgêneros, trabalhadores de saúde ou outras áreas de implementação de políticas públicas, feministas como protagonistas políticos hoje. Estamos interessados ​​em discutir esses grupos em particular e sua visão específica sobre o direito à cidade.

JUEVES 03
9.30 hs | Abertura 
​10 hs | Panel: Nuestros cuerpos, nuestros territorios
​12.15 hs. | Espacio de diálogos colectivos
​15 hs. | Talleres simultáneos:
​Territorio cuerpo · Territorio casa · Territorio barrio · Territorio ciudad
17.15 hs. | Panel: Experiencias y resistencias de mujeres organizadas
​1° Bloque: Conflictos urbanos: impactos y alternativas
​2° Bloque: Nosotras en las calles
​19.30 hs. | Intervenciones artísticas
VIERNES 04
9.30 hs. | Talleres simultáneos
​Territorio cuerpo · Territorio casa · Territorio barrio · Territorio ciudad
​11.45 hs. | Panel: Urbanismos feministas
​13.45 hs. | Almuerzo – Reunión de Arquitectas Feministas
​15 hs. | Espacio de diálogos colectivos
​17.15hs. | Conferencia central: Diálogo entre Rita Segato y Ana Falú