• Home »
  • #lutafeminista »
  • Articulação de Mulheres Brasileiras – “Pelo fim da violência contra as mulheres e Contra o PL 5069 – #foraCunha”

Articulação de Mulheres Brasileiras – “Pelo fim da violência contra as mulheres e Contra o PL 5069 – #foraCunha”

Articulação de Mulheres Brasileiras divulga Nota Pública para o 25 de Novembro, Dia Internacional de Luta pelo Fim da Violência contra as Mulheres.

Rio-de-Janeiro-Midia-Ninja_FORACUNHA

PELO FIM DA VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES E CONTRA O PL 5069 – #FORACUNHA

Neste dia 25 de Novembro, a Articulação de Mulheres Brasileiras se junta a vários coletivos, movimentos feministas e de mulheres de diversos lugares do país, para se manifestar, mais uma vez, pelo fim da violência contra as mulheres, no Brasil e no Mundo!

A violência contra as mulheres é um instrumento de discriminação e de dominação utilizado pelos homens há muito tempo, e tem se repetido cotidianamente em diferentes situações e contextos, e a cada dia de forma mais cruel. Portanto, continuamos a dizer a uma só voz:

CHEGA DE VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES!

PELO FIM DA CULTURA DO ESTUPRO!

PELO FIM DO FEMINICÍDIO!

PELO FIM DA VIOLÊNCIA RACISTA QUE TEM CEIFADO A VIDA DE MULHERES NEGRAS E INDÍGENAS!

Hoje, no Brasil, 527 mil pessoas são estupradas por ano. Destas, 89% são mulheres e 70% são crianças e adolescentes. Na Câmara Federal está tramitando o Projeto de Lei/PL 5069 de autoria do deputado Eduardo Cunha que, se aprovado, legaliza o estupro no Brasil, país em que mulheres e meninas já são submetidas a abuso sexual e estupro todos os dias, na maioria das vezes, dentro do seu próprio lar, praticados por seus parentes mais próximos, com as mais torpes justificativas, tais como: foram elas que o seduziram, que o provocaram, que se negaram a cumprir com sua obrigação de esposa, ou quando é o pai que estupra a própria filha,  como ela daria para outro homem mesmo, então, porque não ser ele o primeiro já que a sustenta.Acresça-se, também, o “estupro corretivo” sofrido pelas lésbicas, tudo isso em decorrência de uma sociedade machista, sexista, racista e homofóbica e em nome da “sagrada família,privilegiando os homens e não contando com nenhuma medida ostensiva de combate a tais atrocidades, que se caracterizam como crime hediondo,portanto:

AS MULHERES DIZEM NÃO AO PL 5069 E FORA CUNHA!

Pelo direito de termos atendimentos nos hospitais em caso de estupro, com assistência digna e humanizada, com acesso à pílula do dia seguinte, com profilaxia de doenças sexualmente transmissíveis, e com orientação de como acessar o aborto legal caso engravide involuntariamente, mesmo antes de dar queixa à polícia, sendo que o PL 5069 nos tira esses direito. Não queremos parir filho de estuprador, queremos poder optar por seguir ou não com a gravidez quando ela coloca em risco a nossa vida, direito esse que já existe no Brasil há 75 anos, mas que estamos prestes a perder se aprovado o PL 5069 do Cunha, por isso:

 DIZEMOS NÃO AO PL 5069 QUE NOS TIRA ESSE DIREITO- FORA CUNHA!

Hoje no Brasil, a cada 2 minutos, 5 mulheres são espancadas; a cada 11 minutos uma mulher é estuprada; a cada 90 minutos ocorre um feminicídio e por dia há em torno de 180 relatos de agressão. Em 2013, foram mortas 4.762 mulheres. O número de homicídios de mulheres negras cresceu em 54%, enquanto a taxa de assassinatos de mulheres brancas caiu 9,8%.  As mulheres negras são mais vulneráveis, pois sofrem, ao mesmo tempo, sofrem a opressão por serem mulheres e por serem negras.

Por termos o direito a viver sem violência e a não sermos assassinadas, lutamos para transformar esta cultura machista que coloca o Brasil como quinto país do mundo com maior número de assassinatos de mulheres.

BASTA DE TOLERÂNCIA À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES!

BASTA DE CULPABILIZAÇÃO DAS MULHERES!

NÃO SOMOS RESPONSÁVEIS PELA VIOLÊNCIA QUE SOFREMOS!

NÃO AO SILÊNCIO DA SOCIEDADE E GOVERNANTES NOS CASOS DE VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES E MENINAS NA

FAMÍLIA OU NAS RUAS!

ESTUPRO É CRIME HEDIONDO, DENUNCIE!

Ligue 180 para denunciar a falta de serviços e de assistência às mulheres em situação de violência e para receber informação de como proceder em caso de estar vivenciando uma situação de violência.

POR MIM, POR NÓS E PELAS OUTRAS!

BASTA DE IMPUNIDADE!

BASTA DE FEMINICÍDIO: NEM UMA A MENOS!

Articulação de Mulheres Brasileiras, 23 de Novembro de 2015

 

(foto: Mídia Ninja)