Nota do SOS Corpo – 8 de março: dia de lutar por autonomia, liberdade e transformação!

8 de março: dia de lutar por autonomia, liberdade e transformação!

Lutar, nós dizemos!

8 de março, Dia Internacional das Mulheres, é um dia de reafirmar e fazer ecoar as lutas históricas e de todo dia de nós, mulheres, para superar as relações de dominação, exploração e opressão instituídas e reproduzidas pelo sistema patriarcal, capitalista e racista em todo o mundo. Em todo o Planeta, neste dia, as vozes das mulheres se levantam e reverberam a força do feminismo como sujeito coletivo em luta pela transformação do que aí está.

Nestes tempos de crise, de ameaças à democracia e aos nossos direitos, de ofensiva conservadora, é preciso fortalecer nossa resistência feminista. Neste dia, nós, do coletivo do SOS Corpo, somamos nossas vozes em defesa de “democracia no país, nas ruas, em casa e na cama”, luta inscrita na memória da resistência feminista latino-americana e que se torna, neste momento da conjuntura brasileira, uma luta vital.

Reafirmamos a luta em defesa da nossa autonomia sobre nosso corpo, primeiro território de nossa existência, ameaçado pela fúria fundamentalista no Congresso Nacional e pela violência sexista, racista e lesbofóbica no cotidiano. Nos solidarizamos com a luta de mulheres indígenas, camponesas, ribeirinhas e quilombolas, pelos seus territórios e modos de vida, permanentemente ameaçados pelo desapossamento imposto pelo desenvolvimento capitalista. Em tempos de crise econômica, é preciso fortalecer a luta contra a superexploração do nosso trabalho, remunerado e não remunerado, e contra as investidas em curso para destituição de nossos direitos no campo do trabalho e da proteção social. É tempo de repudiar a criminalização dos movimentos sociais e defender nosso direito de lutar!

É tempo, sobretudo, de fortalecer a auto-organização das mulheres e o feminismo como sujeito coletivo, suas lutas antissistêmicas e por emancipação.

Neste 8 de março de 2016, nos 35 anos do SOS Corpo, estaremos juntas com nosso movimento, reinventando nossa práxis criativa e libertária e alimentando nas ruas nossa esperança e nossa força coletiva de transformação.