La Morada e a AFM: Outros tempos, outros feminismos

Publicado originalmente no boletim mensal da Articulacion Feminista MarcoSur. Inscreva-se para receber.

La Morada é uma das instituições feministas mais antigas do Chile. Fundada em 1983 por Julieta Kirkwood e um grupo de outras feministas, passou por diferentes tempos e hoje inaugurou uma nova etapa. Nova no sentido de adaptar-se às circunstâncias atuais ou à realidade atual, recuperando o espaço que a instituição historicamente conquistou, de uma agenda feminista transgressora que incorpora os temas clássicos do feminismo em relação ao corpo, à política privada e advocacia e diálogo com várias organizações e movimentos de mulheres de diferentes regiões do país.

La Morada planejou uma série de reuniões de trabalho, internas e públicas. As reuniões internas foram com a equipe de coordenação e com a Assembléia agora ativa. Como um todo, as estratégias foram discutidas, os ensinamentos foram revisados, as mudanças e a aprendizagem foram avaliadas e a eficácia desta etapa do desenvolvimento de La Morada foi demonstrada. Sustentada em pequenos projetos e consultorias, com muito compromisso voluntário, tanto da equipe quanto da própria Assembléia. Essas atividades foram muito importantes para perceber o compromisso e a criatividade da equipe La Morada.

Um dos encontros mais interessantes foi com mulheres de organizações territoriais de diferentes regiões do Chile, que receberam cursos de formação feministas de La Morada. Organizações participantes do movimento popular, sindicatos, instituições locais e organizações feministas, que viajaram especialmente a Santiago para este encontro. Cerca de 25 mulheres compareceram.

No nível público, duas atividades também foram de particular importância. Um deles foi um seminário na Academia de Humanismo Cristão da Universidade, onde falaram a fundadora do Instituto Feminista para a Democracia – SOS Corpo, Betânia Ávila, e a socióloga e fundadora do Flora Tristán, organização feminista do Perú, Gina Vargas, ambas integrantes da Articulação Feminista Marcosur (AFM). Eles trataram do tema sugestivo “Outras tempos, outros feminismos, desafios latino-americanos”. O auditório estava cheio, com muitas mulheres jovens e várias das feministas históricas.

A outra atividade foi a apresentação da peça Las Nanas, sobre trabalhadoras domésticas, um texto preparado em coordenação e com entrevistas ao Sindicato dos Trabalhadores Domésticos Privados. A mesma função teatral, patrocinada naquele dia pela La Morada, contou com a participação dos dirigentes sindicais. Esta atividade também teve alta participação.