Greve: a insatisfação continua no ar

Nos últimos dias, questões centrais da política de desenvolvimento brasileira tornaram-se o assunto mais falado nas ruas, na mídia e nas redes. O governo ilegítimo saturou a estratégia que implementa desde o golpe: sacrificar os direitos humanos com uma política ultra-neoliberal de privatização dos bens públicos, dentre eles o petróleo, em benefício do mercado.

A greve dos caminhoneiros, especialmente no que diz respeito aos autônomos e assalariados, revelou as precárias condições de trabalho, a exploração custo-transporte pelos donos das empresas de caminhões e a política concentracionista que data dos anos 50, onde mais 58% do transporte de cargas e passageiros se efetiva pela malha rodoviária. Em linhas gerais, essa situação aponta para um necessário reposicionamento da política de mobilidade urbana no país.


A mobilização revelou as diferenças entre as classes de trabalhadores e empresários. As vozes de cada um desses setores eram visíveis nas pautas díspares, que iam da redução do valor do óleo diesel, dos impostos que incidem sobre o combustível (PIS/COFINS) até a fixação de uma tabela mínima para o valor do frete – justa reivindicação por incidir sobre o custo e valor da força de trabalho. Havia a expressão pública pelo Fora Temer! e pela intervenção militar! A pauta crítica contra a política da Petrobras teve espaço quando as entidades de classe dos petroleiros, em especial a Federação Única dos Petroleiros (FUP), denunciaram a perversa política entreguista e subsidiária ao capital externo, que deixou o Brasil refém da variação de preços do barril de petróleo no mercado internacional.

Resultado de imagem para federação unica dos petroleiros

Essa política de preços afeta toda uma cadeia de produtos derivados do petróleo, como óleo diesel, gasolina, gás de cozinha, etc, e cai no nosso cotidiano como uma bomba. Fica visível a vulnerabilidade da população diante de tal política governamental excludente e de um sistema de fornecimento e distribuição concentrada nas rodovias que impacta na organização da sociedade.

Durante esses dez dias, entretanto, muitos brasileiros/as revelaram solidariedade à luta dos/as trabalhadores/as do setor. A sociedade se mobilizou contra a tendência deste governo em tratar a questão social, a política de petróleo e a manifestação dos/as trabalhadores/as como caso de polícia. E os caminhoneiros/as sentiram o peso da intervenção militar!

No dia 30 de maio, o dia nacional de luta pela redução do preço do gás e combustível, milhares de pessoas foram às ruas em várias capitais demonstrando apoio a greve. Sob o símbolo “o Petróleo é Nosso”, saíram não apenas em defesa dos bens nacionais, mas sobretudo contra os ajustes e reajustes que contribuem para a perda real dos salários e a precarização das condições de vida.  A greve, que estava sendo convocada pela Federação Única dos Petroleiros (FUP), não pode ter continuidade pois o Tribunal Superior do Trabalho considerou a paralisação política, determinou a sua ilegalidade e estipulou pena de R$ 2 milhões para cada sindicato por dia de descumprimento da medida.

Apesar disso, a greve dos/as caminhoneiros/as e petroleiros/as saiu vitoriosa. O presidente da Petrobras, Pedro Parente, responsável pela atual política de preços, em carta enviada a Michel Temer e ao “mercado”, pediu demissão. Essa vitória não garante a mudança na política dos preços do combustível, mas atesta o enfraquecimento das forças golpistas.

Ainda há uma insatisfação grande no ar. Os problemas de base persistem e, melhor, parecem ser compreendidos pela população, incluindo setores que anteriormente apoiaram o golpe. No mínimo, as contradições da política ultra-neoliberal vieram à tona. As contradições mostram a incapacidade política do governo ilegítimo para solucionar as demandas da greve, gerando alto custo para o cofre público, que será pago pelos próprios trabalhadores/as. E deixa visível a política entreguista, antinacional e antipopular de venda do pré-sal e do Petróleo.

Ao final, a paralisação nestes dez dias, por ter gerado o desabastecimento parcial de alimentos em diversas cidades, deixou claro o problema gerado pelo modelo de agronegócio dependente de transporte de alimentos por longa distância. A greve também expôs a desvantagem das rodovias em relação às ferrovias e hidrovias, explicitou a alta de gás e suas consequências na vida de milhões de mulheres e suas famílias, além de ter apontado, sobretudo, o encarecimento da passagem de ônibus urbanos. Não é à toa que a paralisação teve apoio popular. Através das notas de movimentos sociais e mensagens nas redes sociais, percebe-se que houve uma tomada de consciência sobre o conjunto do que se passa no país.

Voltar à pseudo-normalidade é tudo que os golpistas tentam nos impor desde maio de 2016, quando Dilma foi afastada. A grande mídia retratou todas as perdas sociais sem nenhuma reflexão crítica e, de novo, pinta em suas telas um retrato de um Brasil onde tudo funciona normalmente. Os movimentos sociais e partidos de esquerda, que já vinham denunciando o golpe, percebem avanços na consciência social coletiva nestes dias da paralisação que poderão reverberar por um bom tempo ainda e, quem sabe, produzirão a sensibilização necessária para produzir uma greve geral.

Isso já se percebe nos ônibus, nas filas, nas redes, onde as pessoas demonstram entender que a paralisação foi ‘uma situação inevitável’, que ‘causa problema, mas é necessário’. O governo precisa reconhecer a rejeição da população à sua política, e a comparação com o período anterior ao golpe institucional é inevitável. Dentro dos ônibus e nas ruas podemos ver diariamente a reação da parte da população que sofre com todo esse caos: a população que usa ônibus e metrô, que não compra em supermercado, que está desempregada, que perdeu benefícios sociais, que ganha um salário-mínimo ou menos. Essas pessoas querem seus direitos básicos e uma vida minimamente decente.

A normalidade não voltará nem tão cedo e nem pra muita gente! Nós seguiremos gritando, agora mais forte:  Fora temer! Fora coalizão de partidos golpistas!