“Feministas: resistentes e irredutíveis”

Esses são os termos que definem nossa ação política, como equipe de um instituto feminista,  frente ao golpe deferido contra a Presidenta democraticamente eleita, Dilma Rousseff.

Resistentes porque permaneceremos em luta, para retomar a institucionalidade democrática, e para avançar na conquista de direitos e da justiça social.

Irredutíveis porque não abriremos mão do mandato da presidenta eleita, dos direitos conquistados e não aceitaremos negociações nem diálogos com golpistas.

No longo e permanente processo de organização e luta do movimento feminista pela emancipação das mulheres no Brasil e na América Latina, a defesa da democracia, da justiça social e da justiça ambiental tem sido nossa referência e nossa conexão com articulação geral dos movimentos sociais do campo democrático e popular.

Consideramos que este Golpe pode ser caracterizado como patriarcal e ultraliberal. A violência política contra a Presidenta eleita Dilma Rousseff é uma violência também contra todas as mulheres brasileiras.

Neste momento de grave crise política do nosso país, e como parte do movimento feminista, reafirmamos nosso repúdio ao GOLPE e o nosso compromisso de nos mantermos na resistência democrática.

EM DEFESA DO MANDATO DA PRESIDENTA DILMA ROUSSEF!

EM DEFESA DOS DIREITOS DAS MULHERES!

EM DEFESA DOS BENS COMUNS E DA JUSTIÇA SOCIOAMBIENTAL!

EM DEFESA DA DEMOCRACIA!