#ELENÃO As mulheres se preparam para ir às ruas contra o fascismo

#ÉlNo: la multitudinaria marcha que preparan las mujeres contra Bolsonaro

Publicado originalmente em LatinoAmericaPiensa em 26 de setembro. 

Mais de dois milhões e meio de mulheres autônomas se organizaram para enfrentar o candidato que melhor se posiciona nas pesquisas, apesar de seu perfil machista, racista e ultraneoliberal. As declarações misóginas do candidato despertaram a fúria de milhares de mulheres que preparam uma marcha enorme pelo país para gritar: “Ele não”.

“Eu sou mulher e só voto em quem me respeita”, “sou uma mulher da direita, sou uma mulher de esquerda, sou uma mulher sem um lado político. Sou consciente: retrocesso não”, “Ele não: pela vida das mulheres”, são alguns dos slogans contra o candidato fascista que dia após dia se acumulam na página do Facebook onde nasceu o protesto que promete uma mobilização de massa no sábado 29 .

A página Mulheres unidas contra o Bolsonaro, que todos os dias acrescenta milhares de novas seguidoras, foi o lugar no Facebook onde as mulheres voltaram suas disputas contra as afirmações misóginas e machistas do candidato. Ele está sendo processado por “pedido de desculpas pelo estupro” por ter dito a uma deputada que “ela não merecia ser estuprada” por ser “muito feia”.

“O movimento feminista brasileiro está disposto a lutar contra o fascismo e é por isso que nos organizamos nas redes e nas ruas contra a candidatura de Bolsonaro. Este candidato é contra todos os direitos humanos e a favor da intervenção militar. Ele fez declarações racistas e misóginas”, disse ele à Latino-americana Piensa Analba Brazão Teixeira, Recife, da Articulação das Mulheres Brasileiras.

O candidato a vice-presidente da chapa fascista deixou claro que o pensamento do capitão aposentado, que em mais de uma ocasião reivindicou a tortura e a ditadura militar do Brasil, é compartilhado pelo resto do partido. “Se eles querem usar a violência, nós somos os profissionais da violência”, disse o vice depois que o candidato foi esfaqueado. Seguindo a linha de argumentação contra as mulheres, Mourão observou que as casas com crianças criadas por mães solteiras são “fábricas de desajustados” que produzem traficantes de drogas.

A marcha organizada por mulheres para amanhã, 29 de setembro, em diferentes partes do país, também foi acompanhada por outros movimentos sociais contra o fascismo, como o movimento negro, os povos indígenas e os defensores dos direitos LGBTI.

Segundo Analba, “ele é um candidato altamente antidemocrático e, de acordo com as pesquisas, a maioria dos votos indecisos são de mulheres. A maioria contra este candidato também é mulher. Portanto, as mulheres podem definir essa escolha”. Ela observou que nos últimos tempos cresceram as candidaturas de “mulheres feministas, negras e periféricas que podem fazer a diferença”.

Em setembro de 2015, as mulheres brasileiras foram às ruas para impedir a tentativa de restringir o atendimento aos abortos legais no sistema de saúde. A mobilização, apelidada pelos movimentos femininos de “primavera feminista”, conseguiu que o projeto proposto por Eduardo Cunha fosse descartado. Três anos depois, os brasileiros se preparam para uma nova primavera feminista, desta vez contra o fascismo que esta candidatura representa.

“Estamos vivendo um período de grandes retrocessos em nossos direitos, tanto do ponto de vista das políticas públicas quanto do ressurgimento do conservadorismo da sociedade. Por um lado, o movimento feminista cresceu muito, mas há também um crescimento dos setores contra a esquerda, os movimentos sociais e o petismo (Partido dos Trabajadores). E há também um antifeminismo muito forte. O Brasil continua sendo um país sexista e racista. Nós, as mulheres e os movimentos sociais, continuaremos a luta contra o fascismo”, enfatizou Analba Brazao Teixeira.

 

*Analba Brazão é antropóloga e educadora do SOS Corpo.
**Déborah Guaraná é jornalista e comunicadora do SOS Corpo.