Ditadura nunca mais! Todo apoio à família Santa Cruz

Nós do coletivo SOS Corpo – Instituto Feminista para a Democracia queremos expressar nosso repúdio veemente as terríveis declarações do Presidente da República dirigidas a Felipe Santa Cruz, atual presidente da OAB sobre o desaparecimento do seu pai, Fernando Santa Cruz, no período da Ditadura Militar, as quais mostram desrespeito e escárnio diante de situação tão profundamente traumática e violenta, para um filho, para toda a família de Fernando e de maneira mais geral para toda a sociedade brasileira e sobretudo para aqueles e aquelas que no passado e no presente lutaram e lutam pela democracia, pelos direitos humanos e pela justiça social em nosso país. 

O mais alto mandatário do poder executivo não deve ter poder para ficar impune diante de tal declaração. Se ele tem informações sobre o desaparecimento de Fernando Santa Cruz, e nunca as revelou, apesar dos inúmeros esforços investigativos da Comissão da Verdade, que apurou os crimes da Ditadura Militar, ele não apenas deve ser constrangido legalmente a revelá-las como também deve ser punido por tê-las sonegado.

A tortura é um crime contra a humanidade. Sonegar informações sobre casos investigados pelo Estado é ser, no mínimo, cúmplice. Ademais, a admiração do presidente Jair Bolsonaro pelos torturadores já foi sobejamente demonstrada, a exemplo do episódio da votação do impedimento da presidenta Dilma, ocasião na qual ele declarou seu voto homenageando Brilhante Ustra, e fez questão de enfatizar, com requinte de crueldade semelhante ao atual,  que ele era o terror de Dilma Roussef.

Queremos expressar nossa mais profunda solidariedade a toda família Santa Cruz, em particular ao Felipe Santa Cruz, ao nosso companheiro de todas as horas Marcelo Santa Cruz e a nossa querida companheira feminista Rosalina Santa Cruz, filho, irmão e irmã de Fernando Santa Cruz. E em reverência especial à memória de Dona Elzita Santa Cruz, que lutou por toda a sua vida para desvelar a verdade sobre o desaparecimento de seu filho. Saibam que estaremos sempre juntas em defesa da apuração dos crimes da ditadura, que não aceitaremos o esquecimento da memória nacional e, muito menos, o vilipêndio e a crueldade com a qual o desaparecimento de Fernando foi tratado. Exigimos das instituições do Estado brasileiro que respondam a este fato no resguardo do próprio Estado, antes que este governo destrua não apenas a democracia e o estado de direito, mas também o patrimônio nacional. 

PELO DIREITO À MEMÓRIA E À VERDADE!

LEMBRAR PARA JAMAIS ESQUECER!