• Home »
  • agenda »
  • 25/11/15 – Mulheres na luta pelo fim da violência! (Região Metropolitana do Recife)

25/11/15 – Mulheres na luta pelo fim da violência! (Região Metropolitana do Recife)

Organizações e movimentos de mulheres do Recife e da Região Metropolitana estão organizando diversas ações esta semana, marcando o Dia Internacional de Luta pelo Fim da Violência Contra a Mulher (25 de novembro). Em comum na agenda, integrantes destes movimentos e grupos de mulheres marcarão presença no ato Mulheres Contra Cunha, que acontece hoje à tarde, no centro do Recife.

O protesto será contra as diversas formas de violência praticadas contra as mulheres, intensificadas a partir da onda conservadora e misógina que ganha força na atual conjuntura. A ideia é ocupar as ruas do centro do Recife contra o avanço das pautas conservadoras das bancadas religiosas fundamentalistas, contra Eduardo Cunha, contra o PL 5069 e por nenhum direito a menos para as mulheres. O ato também vai contar com a presença das integrantes de coletivos feministas jovens, como Feminismo Agora! e Ou Vai Ou Racha.

O 25 de novembro, Dia Internacional de Luta pelo Fim da Violência Contra a Mulher, foi criado no I Encontro Feminista Latino Americano e do Caribe, em 1981.

Confira a agenda de coletivos e fóruns para o 25:

Coletivo de Mulheres de Jaboatão – O grupo realiza na tarde deste 25, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Município do Jaboatão dos Guararapes (Sinproja), um debate sobre as variadas formas de violência contra as mulheres, o alto percentual de homicídios de mulheres negras e a intolerância às religiões de matriz africana.

Coletivo Liberdade/Vamosimbora e Federação Ibura Jordão – A concentração da caminhada acontece amanhã pela manhã em frente a Policlínica do Ibura. É a primeira iniciativa do grupo e uma forma testar a ação de rua na região. A ideia é seguir pelas ruas do bairro com cartazes, faixas, palavras de desordem e usando um carro de som com informações sobre a violência contra as mulheres no Brasil (os dados apresentados na última prova do ENEM também serão comentados).

Para Miriam Florêncio, do Liberdade/Vamosimbora, a ação será um pontapé inicial e há o desejo de que ela se torne uma atividade constante a cada ano. “Saíamos sempre para o centro da cidade do Recife, mas a ideia agora é trazer para o local, para diminuir a violência no nosso bairro. Temos muitos casos na área e temos relatos dentro do nosso grupo. Recentemente o marido de uma companheira comprou um facão e a ameaçava diariamente. Ela teve a coragem de denunciar e a lei Maria da Penha o obrigou a sair de casa. Isso foi uma vitória para gente, mesmo sabendo que ela ainda está com medo. Temos mais duas companheiras que estão passando pelo mesmo processo, fora as que se silenciam com medo de denunciar”, conta Miriam. Com a ação, o grupo pretende mostrar que as mulheres do Ibura não estão sozinhas. “Temos a vontade de criar um espaço de escuta para as mulheres. Lutamos para trabalhar com os grupos dentro das instituições de saúde como forma de fortalecer nossas comunidades e nossas mulheres. Esta é a primeira vez que um grupo de educadoras na saúde consegue ir para rua para visibilizar uma luta deste tipo”, finaliza Miriam Florêncio.

Coletivo Mulher Vida – O Coletivo Mulher Vida realiza passeata amanhã, com concentração às 8h, na Praça 12 de março e caminhada até a Caixa Econômica, em Olinda. Á tarde somam com o ato no centro do Recife.

Fórum de Mulheres do Paulista – O Fórum promove na próxima sexta, dia 27, na Faculdade Joaquim Nabuco, em Paulista, um seminário sobre políticas públicas em saúde e violência contra a mulher. A atividade é aberta ao público e conta com a parceria do grupo de gênero da Faculdade.

Fórum de Mulheres de São Lourenço – As mulheres que integram o Fórum de São Lourenço planejam uma ação para o próximo sábado, dia 28, na praça do Canhão, um local estratégico no centro do município. Haverá oficinas de cartazes e palavras de desordem. A ideia é promover o diálogo com as pessoas que vão circular pelo local.

por Nathália D’Emery, com edição de Silvia Camurça.